SOFTWARE

Atlassian: tudo na nuvem a partir de 2024

21/10/2020 06:49

Empresa vai matar a linha de produtos que rodam em servidores. 

Atlassian prepara virada estratégica. Foto: DIvulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Atlassian, uma das maiores empresas de softwares de desenvolvimento e gerenciamento de projetos, vai encerrar o suporte para os seus produtos on premise rodando em servidores em fevereiro de 2024. 

Depois disso, eles só estarão disponíveis na versão cloud ou na versão para rodar em data centers locais, ainda que com preços mais altos a partir de fevereiro de 2021.

Também a partir de fevereiro de 2021 não serão mais vendidas as versões para rodar em servidores locais e os produtos não terão mais desenvolvimento. O preço do suporte das versões locais também vai subir.

Entre 2021 e 2022, será oferecido suporte e patches para bugs nos produtos para servidores. Depois disso, somente serão oferecidos patches para “vulnerabilidades críticas” até a data do fim do suporte.

“Queremos reforçar nosso foco em ser um companhia cloud first”, disse o CEO da Atlassian, Scott Farquhar, em um post anunciando as medidas. De acordo com Farquhar, 90% dos clientes hoje em dia já começam com os produtos cloud.

Por outro lado, a companhia foi fundada em 2002, e uma parte importante da base de clientes pode ser usuária das versões para servidor. 

A decisão não é uma surpresa, as primeiras comunicações nesse sentido foram feitas em 2017, quando a Atlassian fechou um grande contrato com a Amazon Web Services.

A Atlassian está fazendo uma movimentação já vista antes no mundo de software, do qual um dos exemplos mais bem sucedidos é a Adobe.

Ao encerrar o produto com licenças locais, a empresa deixa alguns clientes insatisfeitos no curto prazo, mas consegue concentrar recursos na sua versão na nuvem e migrar para um modelo de receitas recorrentes por assinaturas no médio.

A Atlassian abriu o capital nos Estados Unidos no final de 2015, quando foi avaliada em US$ 8 bilhões. Na faixa dos 30 anos, os dois fundadores da empresa já estão na lista das 20 pessoas mais ricas da Austrália.

A empresa tem também um pezinho no Brasil, mais precisamente em Porto Alegre.

A e-Core, uma companhia de desenvolvimento de software, é responsável por um dos cinco centros de atendimento da marca no mundo, com foco em clientes da América Latina e parte da América do Norte.

A empresa gaúcha é o único centro não gerenciado diretamente pela multinacional.

Veja também

AGRO
Jotabasso monta área de BI

Companhia é uma das maiores do setor de sementes no Mato Grosso do Sul.

ADEUS
IBM mata sua versão do Slack

Lançado em 2016, Watson Workspace não chamou a atenção dos clientes.

SOFTWARE
Totvs completa virada ágil

A migração para a nova forma de trabalho foi iniciada em maio de 2017.

COLABORAÇÃO
Slack adquire HipChat

A partir da negociação, HipChat e Stride serão descontinuados no início do próximo ano.

EXPANSÃO
E-Core abre operação no Tecnopuc

A estrutura de aproximadamente 1200m² comporta 150 posições de trabalho. 

PLANOS
BRF vai investir 10% da receita em inovação

Meta foi estabelecida para 2023. No ano passado, a empresa faturou R$ 33,4 bilhões.

SISTEMAS
Havan usa containers com Red Hat

Havan Labs usa tecnologia OpenShift com consultoria da Service IT.

CAMPUS
Agibank transfere sede para São Paulo

Fintech aposta em nova base em Campinas. Parte da operação segue em Porto Alegre.

CONTRATAÇÃO
Linx Pay tem novo diretor de produtos e TI

Com 13 anos de experiência, Flávio Chimenti Gonzalez atuou na Getnet e na SafraPay.

ECOSSISTEMA
Nestlé inaugura centro de inovação e tecnologia

Com Nexus e Aevo, companhia já tem desafios com inscrições abertas para ampliar a base de parceiros.

IA
iFood agiliza entregas com AWS

Empresa criou uma academia interna de inteligência artificial e está utilizando o Amazon SageMaker.