Giuliano Forlin. Foto: divulgação.

A gaúcha Safebus e a carioca GPS Conecta acabam de anunciar uma fusão, formando o que, de acordo com as empresas, é a maior empresa de sistemas de rastreamento do ônibus do país.

Juntas, as empresas esperam faturar R$ 16 milhões em 2015, uma alta de 30% frente aos resultados do ano passado.

O ponto forte da companhia é a presença no Rio de Janeiro, que é o considerado o mercado mais sofisticado no país quando o quesito é gestão de frotas e empresas de ônibus, devido à exigência legal de sistemas de monitoramento.

A nova SafeConecta, com ações divididas meio a meio entre as duas empresas, diz ter 75% de share na capital carioca. Em nível brasileiro, a cifra chegaria a 44%, quase o dobro do segundo colocado.

Ao todo, a empresa fechou 2014 gerenciando informações de 27 mil ônibus em todo o país e esperar somar mais 10 mil em 2015.

“O nosso objetivo é ter um sistema mais robusto, integrado com CFTV com reconhecimento facial, contador de fluxo de pessoas, apps para usuários, ERP e roteirizadores com um preço muito agressivo”, afirma Giuliano Forlin, sócio diretor da Safebus.

Forlin tem participado de outros movimentos de consolidação com a Safebus.

Em agosto do ano passado, a empresa participou de uma fusão junto com A Softforce, Sec2b, ConnectForce e LIT, formando um novo grupo batizado de Welkin, com uma projeção de faturamento de R$ 13 milhões em 2014.

No grupo, a Safebus atua em parceria com a fábricas de software Softforce e ConnectForce, a consultoria de segurança da informação Sec2b e a LIT, focada em consultoria de processos educacionais.

A Welkin nasce com um quadro composto por mais de 100 funcionários e uma carteira de 80 clientes espalhados pelo Brasil.

O controle da empresa é dividido entre Adriano Rodenbusch, ex-Softforce, diretor técnico da Welkin e Giuliano Forlin, ex-Sec2B, diretor comercial. Ambos são os maiores acionistas do novo negócio.

Tanto Rodenbusch quando Forlin são jovens empresários. O primeiro fundou sua empresa em janeiro de 2012, vindo da Deep Red, onde era gestor de TI.

Já Forlin fundou a Sec2b em agosto de 2007, vindo da Autoridade Certificadora do Rio Grande do Sul, onde esteve por três anos.