Correios retomam plano de MVNO. Foto: divulgação.

A novela continua. Os Correios anunciaram esta semana a retomada de seu processo de seleção para uma prestadora para exploração do serviço móvel por meio de rede virtual (MVNO).

Segundo informa o site Teletime, empresas interessadas devem entregar as propostas até o dia 17 de março, se candidatando para participar como operadora credenciada, sendo uma espécie de representante da operadora, sem necessidade de construção de rede ou de autorização pela Anatel.

Para se qualicar nos critérios da seleção, a operadora terá que assumir o compromisso de estar presente em pelo menos 50% dos municípios das três regiões do Plano Geral de Autorização (PGA).

Caso o processo de seleção siga adiante desta vez, a meta dos Correios é de obter até 500 mil assinantes por ano, e com isso espera fechar um contrato de cinco anos pelo valor mínimo de R$ 282 milhões.

O valor definido pelos Correios é estimado pelo somatório do maior valor de remuneração dos chips pré-pagos, maior percentual de comissão pela venda de recargas em lojas de sua rede e maior percentual de comissão na venda de recargas na rede da prestadora.

De acordo com os Correios, a empresa estima uma receita de R$ 4 milhões em venda de chips em 2017, mais R$ 5,4 milhões em vendas de recargas no mesmo período. A remuneração total prevista passa de R$ 10,7 milhões no mesmo ano.

Desde o anúncio do plano de ter sua MVNO até hoje, já se passaram mais de cinco anos. Desde 2011, os Correios falam na possibilidade de criar sua operação de telefonia. Em 2012 a instituição anunciou plano de iniciar esta atuação ainda em 2013.

Em 2014, o discurso foi repetido e fortalecido pela publicação de portaria do Minicom autorizando os Correios a explorarem a prestação de serviços de telefonia, mas até agora nada se concretizou.

Agora vai?