Nivio Ziviani.

Nivio Ziviani, professor emérito de ciência da computação na Universidade Federal de Minas Gerais e fundador de pelo menos três startups bem sucedidas, acaba de ser indicado pelo governo para o conselho de administração da Petrobras.

A primeira, ainda nos anos noventa, era a Miner, uma empresa de data mining, comprada em pouco mais de um ano pelo UOL.

Depois, com outros professores da UFMG, Zivani foi fundador da Akwan, uma empresa de ferramentas de busca e gestão da informação na web, comprada pelo Google em 2005.

Foi a única aquisição que se tem notícia do Google no Brasil, dando origem a um centro de pesquisa e desenvolvimento do buscador existente até hoje em Belo Horizonte.

Sua startup atual, a Kunumi, é uma empresa de inteligência artificial focada na convergência de ‘deep learning’ e ‘big data’. 

Ziviani não faz parte da gestão da empresa, apenas preside o conselho tecnológico.

De acordo com o Brazil Journal, a experiência de Zivani com algoritmos, recuperação de informação e aprendizado de máquina “traz uma perspectiva única para a Petrobras num momento em que a indústria de petróleo cada vez mais usa inteligência artificial para aumentar a taxa de acerto na prospecção, entre outros usos”.

A União, como acionista controlador, nomeia sete dos 11 conselheiros da Petrobras. A oitava vaga é de nomeação dos funcionários; outras duas, dos acionistas minoritários; e a última é reservada ao próprio presidente, pelo estatuto.