Zynga quer bombar sem o Facebook. Foto: reprodução

A desenvolvedora de games Zynga, criadora de games como Farmville anunciou em seu site que reformulará a sua plataforma de jogos, desvinculando seus games do Facebook.

A partir da próxima semana, usuários poderão acessar os jogos através do site oficial da produtora, sem vinculá-los necessariamente à rede social.

Segundo destaca o IDGNow, o login do Facebook tem sido uma exigência para o site Zynga.com desde que a plataforma foi lançada, no fim de 2012.

A parceria da Zynga com o Facebook, por sua vez, data de muito mais tempo, desde 2007.

Agora com a possibilidade de trabalhar com um login próprio em seu site oficial, a produtora quer promover a sua plataforma social exclusiva, criando um ambiente de comunidades de interesse em torno de seus títulos.

Além disso, esta nova plataforma possibilitará aos gamers modelarem seus avatares de acordo com sua vontade, sem precisar usar seus perfis reais do Facebook.

Esta abertura para recursos exclusivos também deve se refletir nos jogos, que podem ter funções especiais para os usuários com conta no site oficial da Zynga, ou mesmo alguns títulos disponíveis somente para o site próprio, sem compatibilidade com o Facebook.

Mas antes de qualquer pânico, vale lembrar que quem já usava os jogos via Facebook poderá continuar jogando e mantendo sua comunidade de amigos na rede social.

“Todos os jogadores terão a opção de se conectar com o Facebook e manter seus amigos e seus progressos no jogo, na hora de decidir o que você compartilha com sua comunidade de jogos”, escreveu Cadir Zynga Lee, CEO da companhia.

RISCO

A Zynga assume um grande risco ao fazer esta mudança, segundo destacam analistas. Boa parte do sucesso dos jogos da Zynga é ligada à popularidade do Facebook e ao fato de rodarem dentro da rede social.

Em 2012, 80% da receita da empresa vinha dos jogos na rede. Por exemplo, o sucesso Farmville chegou a atrair mais de 82 milhões de jogadores em um único mês no Facebook.

No entanto, o fato de ter seus jogos atrelados à rede social limitou a Zynga em outros mercados de sucesso, como o crescimento dos jogos em dispositivos móveis. A dependência do Facebook vinha limitando o uso de multiplos dispositivos.

Outro fator agravante foi quando quando o Facebook começou a cobrar de parceiros desenvolvedores de aplicativos  a veiculação de anúncios que promovessem o download dos aplicativos.

Desde que anunciou planos de libertar-se do Facebook, a Zynga atravessou momentos difíceis, com queda de valorização de suas ações, cortes expressivos de pessoal e o fechamento de alguns de seus estúdios.

Resta saber como a desenvolvedora, até então o nome mais representativo no mercado de games sociais, vai manter sua força sem a parceria da maior rede social para a divulgação de novos títulos.  

No Facebook, agora a Zynga terá sua divulgação como os demais desenvolvedores de jogos, cujos termos de serviço não permitem a promoção cruzada de jogos fora do Facebook.