Rede social para compartilhar segredos. Foto: flickr.com/photos/srakovlje

Para criar um perfil na maioria das redes sociais, é preciso fornecer dados básicos como nome, cidade, sexo e, preferencialmente, uma identidade real. Os americanos Chrys Bader e David Byttow lançaram a rede social Secret, no qual os usuários não precisam fornecer qualquer informação de identificação. 

Lançado primeiramente nos Estados Unidos, em janeiro deste ano, o Secret está disponível para download nos sistemas iOS e Android agora também no Brasil.

A plataforma social conecta o usuário com os seus amigos utilizando os contatos do seu telefone para compartilhar pensamentos e ideias, anonimamente.

Sem um nome ou imagens associadas ao seu perfil, os usuários veem um feed de mensagens combinadas a textos e imagens, classificadas de acordo com sua popularidade ou sua localização geográfica. Os status são chamados de “segredos” e podem ser “curtidos” e comentados.

Os fundadores preveem que o número de usuários deve correr em milhões até o final deste ano. Após o lançamento nos Estados Unidos, os empreendedores conseguiram levantar US$ 60 milhões em poucas semanas.

Ao entrar na rede social, é possível encontrar duas vertentes de feed: os segredos dos seus amigos e amigos de amigos e a guia explorar, que mostra o segredos de todo mundo.

Alguns sites de notícias americanos afirmam que os usuários que utilizam o app pela primeira vez encontram um conjunto atraente e, às vezes, controverso de confissões na aplicação. Essas confissões variam entre declarações de amor, comentários alegres, desabafos angustiados de ajuda, queixas amargas sobre colegas e confissões explícitas sobre a vida sexual dos usuários.

O resultado é uma rede social que oferece um fluxo excepcionalmente sincero de atualizações.

"Nós sempre tivemos certos pensamentos e sentimentos e sempre existiu a vontade de compartilhá-los. Até então essas pessoas não tinha um lugar.” comenta Bader.

O aplicativo também tem gerado um volume anormalmente elevado de comentário, em grande parte para promover bullying. Preocupada, a empresa construiu ferramentas para combates o assédio na rede. Dentre elas, foram definidos alguns moderadores para remover as mensagens ofensivas e avisar os usuários.