O conversor distribuído aos inscritos no Bolsa Família terá interatividade. Foto: Concept Photo/Shutterstock.

O conversor da TV digital que será distribuído aos 14 milhões de inscritos no Programa Bolsa Família terá interatividade e possibilitará o acesso à internet. 

A decisão sobre o modelo do conversor digital foi tomada pelo Grupo de Implantação do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV (Gired), que reúne governo, empresas de radiodifusão e de telecomunicações. 

O aparelho com as configurações definidas ainda não existe no mercado e vai ser produzido.

O tipo de conversor escolhido vai trazer o middleware de interatividade Ginga C, 512 MB de memória RAM e 2 GB de memória flash. Além disso, contará com entradas para conexão à internet banda larga, por meio de um modem externo via USB ou cabo.

A entrega do aparelho será feita durante o processo de desligamento da TV analógica, que começa no Brasil no próximo ano.

Segundo o secretário-executivo substituto do Ministério das Comunicações, James Görgen, o conversor dará ao telespectador a possibilidade de acessar aplicativos e programas com facilidades como marcação de consultas médicas, vagas de emprego, extrato do Bolsa Família, serviços bancários e outros serviços dos governos federal, estadual e municipal.

Além do conversor, o Gired vai distribuir às famílias antenas para garantir a recepção do sinal de TV digital. 

O fim das transmissões da TV Analógica começa em 2016 e deve se estender até 2018. No próximo ano, os televisores de Brasília e de outras 11 cidades de Goiás e Minas Gerais já passarão a captar somente o sinal digital.

Um projeto-piloto do desligamento será realizado ainda em 2015 na cidade goiana de Rio Verde. Nesse município, o fim das transmissões analógicas vai ocorrer no dia 29 de novembro deste ano.