Com a pandemia, aplicativo chegou a 20 milhões de usuários. Foto: divulgação.

A PicPay, fintech de pagamentos com sede em Vitória, anunciou sua entrada no segmento de crédito pessoal e o lançamento de cartões de crédito e de débito próprios.

Segundo o site NeoFeed, a estreia oficial no mercado de crédito está programada para junho, com a oferta de empréstimos para pessoa física. Em fase de ajustes de prazos, taxas e demais condições, as primeiras operações foram realizadas na semana passada.

A oferta deve seguir o modelo adotado nos demais produtos: a PicPay é a plataforma de entrega da solução, enquanto a gestão do risco e o financiamento virão de parceiros.

De acordo com a empresa, o pontapé inicial será dado com o Banco Original, que controla a PicPay, mas a fintech já negocia com outros parceiros interessados em oferecer crédito pessoal por meio da plataforma.

A mesma abordagem está sendo usada para os cartões. Em janeiro, a fintech iniciou os testes na modalidade de cartões de crédito, em parceria com o Original, junto a uma base de 30 mil clientes.

Agora a empresa acrescenta ao portfólio o cartão de débito, cujos ajustes também foram finalizados na semana passada.

O usuário poderá ter um cartão virtual, além de solicitar um físico e os gastos são gerenciados pelo aplicativo, que dá acesso a todos os produtos da carteira digital.

Para reunir as novas soluções, a empresa criou uma unidade de negócios específica e contratou Frederico Trevisan, ex-Santander, Citi e Itaú Unibanco, para comandar a área com mais de 100 pessoas.

“Vamos olhar para todas as modalidades de crédito, entre elas, as transferências pessoais, peer-to-peer, e as ofertas para empresas. Temos, no mínimo, o potencial de alcançar toda a base de usuários da PicPay”, destaca Frederico Trevisan, head de card e crédito da PicPay, ao NeoFeed.

A PicPay fechou 2019 com 13,4 milhões de usuários, sendo 3,9 milhões deles ativos, e uma média de 500 mil novos usuários por mês. Com a pandemia, a startup registrou 3 milhões de novos usuários somente em abril.

Com esse salto, a empresa antecipou a meta projetada para o fim de 2020, chegando a 20 milhões de usuários, sendo 8 milhões deles ativos.

“A crise acelerou em muitos anos a curva de adoção e a busca do consumidor por pagamentos sem contato. E acredito que esse é um caminho sem volta”, afirmou Gueitiro Genso, CEO da PicPay, ao NeoFeed.

No momento, boa parte dos esforços da PicPay está centrada em ações voltadas ao impactos da pandemia. 

A plataforma está sendo usada para centralizar e agilizar a distribuição de doações, além do pagamento dos valores referentes à merenda escolar durante a quarentena em São Paulo, por exemplo.

Ainda de acordo com a publicação, a fintech avalia acelerar o lançamento de outras aplicações que já estavam em seu escopo, como uma solução produto para as empresas pagarem seus funcionários e fornecedores.

A PicPay tem 1,4 mil funcionários e deve fechar 2020 com 2 mil. A empresa transacionou R$ 5 bilhões de 2019 e a meta para este ano é de R$ 31 bilhões.