O governo voltou a colocar na pauta o pedido de isenção de vistos para os EUA. Foto: Popartic/Shutterstock.

O governo brasileiro voltou a colocar na pauta de negociações com os Estados Unidos o pedido de isenção de vistos para turistas brasileiros. O tema deve ser abordado visita que a presidente Dilma Rousseff fará no fim do mês ao país norte-americano.

A informação passada pelo ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, foi divulgada pelo Estadão.

“O Brasil é um país que não tem guerra com nenhum vizinho há 150 anos. O Brasil não é alvo de terroristas. A rejeição de visto para brasileiros é muito baixa. Vamos ver se conseguimos dar alguns passos para incrementar o turismo”, disse o ministro. 

Segundo Mercadante, o desejo do governo brasileiro é retomar as negociações e ir além da adoção do Global Entry (sistema que permite a entrada sem passar por filas de imigração), que já deve ser anunciada.

A viagem de Dilma marca a retomada da relação entre os dois países, que foi afetada pela revelação de que a Agência de Segurança Nacional (NSA) havia espionado as comunicações da presidente, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Petrobrás. 

Naquela época, também já estavam sendo finalizados os detalhes para o anúncio da operação no país do Global Entry, que seria feito em Washington, em viagem que foi adiada. A iniciativa beneficiaria inicialmente até 1,5 mil brasileiros.

O momento talvez não seja o ideal para uma negociação de isenção de visto, pois as despesas de brasileiros no exterior estão em queda. Nos quatro primeiros meses deste ano, elas somaram US$ 6,87 bilhões, uma queda de 16% em relação ao mesmo período do ano passado. 

De acordo com o Banco Central, esse valor é o menor registrado no primeiro quadrimestre de um ano desde 2011.

Além disso, os Estados Unidos não costumam abrir esse tipo de isenção. Hoje, turistas de menos de 40 países podem entrar nos Estados Unidos sem visto, a grande maioria deles vindos da Europa. 

Há pouco mais de um ano, o Chile se tornou o primeiro país latino americano a ser liberado de requisito de visto prévio para viagens de até 90 dias para negócios ou turismo nos Estados Unidos.

Outros países de fora da Europa a contar com  a vantagem são  Austrália, Nova Zelândia, Brunei, Taiwan e Coréia do Sul.