Mark Shuttleworth. Foto: divulgação.

A Canonical, empresa sul-africana que desenvolveu o Ubuntu, recorreu ao crowdfunding para bancar seu projeto de smartphone, chamado de Ubuntu Edge.

Conforme destaca o IDGNow, o fundador da empresa, Mark Shuttleworth, quer fazer do dispositivo uma plataforma para testes de tecnologias de ponta em mobilidade, que ainda não foram plenamente aceitas pelos grandes fabricantes de celulares.

O financiamento coletivo vai até o dia 23 de julho, com o smartphone custando US$ 600. Depois desta data, ele passa a custa US$ 830.

O objetivo do projeto é arrecadar US$ 32 milhões em 31 dias, US$ 12 milhões a mais do que Shuttleworth tirou do próprio bolso para fazer turismo no espaço em 2002.

As contribuições vão de US$ 20, o que garante ao patrocinador seu nome entre os "fundadores" do projeto, a US$ 80 mil, em um pacote empresarial com 100 aparelhos e 30 dias de suporte técnico.

De acordo com a especificações divulgadas no projeto, o Edge terá um chassi feito de metal, tela de 4,5" e resolução HD (1280 x 720), com revestimento de cristal de safira em vez de vidro.

Outro diferencial o aparelho é que, quando plugado a um monitor externo, o Ubuntu Edge se comportará como um PC Desktop rodando uma versão completa do Ubuntu. Ainda assim, ele se apresenta como um telefone "dual boot", suportando tanto Ubuntu quanto Android.

Para segurar essa ambição, o smartphone terá tecnologia avançada debaixo do capô. Segundo destacou Shuttleworth, ele contará com o "processador multi-core mais rápido disponível", com pelo menos 4 GB de RAM e 128 GB de memória interna.

O aparelho terá conectividade 4G reforçada, com duas antenas LTE, tanto nos EUA quanto na Europa. Para sustentar o poderoso telefone, ele terá uma bateria usando a tecnologia experimental de "ânodo de silício", prometendo mais autonomia do que as atuais Lítio-Polímero.