Anderson Detogni, CEO da XBW. Foto: Divulgação.

A XBW, plataforma de negócios online destinada a intermediar o contato entre compradores e fornecedores de produtos e serviços de diversos segmentos, acaba de receber um novo aporte financeiro. Um grupo de investidores brasileiros injetou R$ 1 milhão na startup. 

“Este dinheiro será aplicado em tecnologias e novos mercados, proporcionando maior velocidade no crescimento da empresa dentro do ecossistema industrial”, afirma Anderson Detogni, CEO da plataforma. 

Essa não é a primeira vez que o projeto recebe apoio. No começo de 2015, um investidor-anjo realizou um aporte de R$ 2,5 milhões. No mesmo ano, a empresa também foi aceita no programa de aceleração do Parque Tecnológico Unisinos.  

Hoje, há pouco mais de três meses no ar, a plataforma soma 250 mil usuários cadastrados e um montante que ultrapassa os R$ 2 milhões em negócios já firmados. No total, são mais de seis mil empresas de diversos segmentos disponíveis. 

“Os empreendedores podem contar com a nossa ajuda para facilitar a compra e venda de produtos. A XBW é uma plataforma simples, rápida, que conecta todas as pontas da cadeia de maneira efetiva, proporcionando otimização na produção e redução de custos”, pontua Detogni.

No setor agrícola, por exemplo, a empresa conta com parcerias de nomes como as multinacionais Bayer, John Deere, New Holland e Massey Ferguson. A plataforma também oferece contato direto com empresas como Gerdau e Usiminas.

Além de máquinas, equipamentos e produtos dos mais diversos segmentos industriais, a plataforma também permite que sejam realizados pedidos de orçamentos de empresas de pequeno e médio porte, como escritórios de advocacia, contabilidade, engenharia, entre outros. 

Para fazer parte do banco de dados e ter acesso às informações disponíveis no site, o usuário deve optar por um dos planos de assinatura, que giram em torno de R$ 35 mensais.

O Tecnosinos foi eleito em 2014 como melhor parque tecnológico do Brasil pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec).

Em 2013, o parque divulgou uma meta de chegar a 200 empresas abrigadas até 2019, quase o triplo das 75 abrigadas no período.