Tim investe na conexão de banda larga fixa. Foto: flickr.com/photos/ruafun12

O serviço de banda larga fixa da TIM, disponibilizado no final de julho em São Paulo, já possui cerca de 3 mil usuários, conforme divulgou a companhia nesta quarta, 21.

Batizado de Live TIM, o novo serviço de internet residencial - ao custo de R$ 89,90 - só está disponível em algumas localidades da capital paulista, mas deve chegar ao Rio de Janeiro ainda neste trimestre, segundo informações da empresa.

A conexão de internet fixa é feita por meio de fibra óptica pela divisão TIM Fiber e conta com 2.037 edifícios conectados e um total de 5.700 autorizados para conexão. O serviço foi viabilizado pela aquisição em 2011 da rede da AES Atimus pela TIM, por R$ 1,6 bilhão.

O plano original da TIM era disponibilizar o novo serviço apenas em setembro, mas foi adiantado devido à decisão da Anatel de suspender as vendas de novas linhas de telefonia e internet 3G em 18 estados.

Atualmente, a Live TIM é vendida por meio de televendas e parceiros que fazem abordagem porta a porta. Diferentemente dos concorrentes, a TIM não planeja oferecer combos, pacotes de descontos com telefonia, TV e internet.

Com o Live TIM, a empresa de telefonia agora entra para acirrar a briga no ramo da banda larga fixa de alta velocidade, competindo com empresas como a Net, GVT, Telefônica e Oi. Até 2016, a TIM Fiber quer chegar a 1 milhão de clientes de banda larga fixa.

A ÚLTIMA MILHA
Um dos pontos chave na competição das telefonias é o que as empresas chama de "a última milha". Para baratear os custos de instalação, as empresas passam os seus cabos de fibra ótica de alta velocidade em frente às residências dos usuários.

No entanto, nem todos são usuários de banda larga. Por exemplo, a rede óptica da Telefônica passa na frente de 1 milhão de casas, em 15 cidades de São Paulo. Os clientes somam 90 mil.

A Telefônica e a Oi optaram por levar a fibra óptica para dentro da casa do cliente. A TIM e a GVT terminam a conexão com o par trançado e a NET com o cabo coaxial, usado pela TV. A rede totalmente óptica é uma garantia de que a operadora poderá continuar aumentando a velocidade nos próximos anos, sem ter de mexer na rede.

Usar cobre no segmento final, por outro lado, barateia a instalação do serviço, sem tirar a competitividade do produto.

Neste começo de operação, o custo de instalação da TIM (pago pela empresa, e não pelo cliente) está em cerca de R$ 700 por cliente. André Krieger, diretor de ultrabanda larga da Telefônica, afirmou que, atualmente, o custo de instalação de uma conexão de fibra está em R$ 1,2 mil.

"Temos de fazer um investimento maior agora, mas evitamos ter de refazê-lo lá na frente", disse Krieger.