A startup foi criada em 2013 por Wellington Moscon, Igor Pieruccini e Priscila Moscon. Foto: Divulgação.

A startup Eruga, do Paraná, integra a turma 2014 do programa Aceleradora, criado pela Artemisia. A empresa, da área de educação, transforma qualquer conteúdo formal em um conteúdo interativo digital. 

O trabalho ocorre por meio de plataforma online com conteúdos em realidade aumentada (RA) – material personalizado de acordo com as inteligências múltiplas do aluno. A plataforma é baseada no ensino híbrido.

Na análise sobre o impacto social, a empresa mostra que a RA tem um forte potencial para proporcionar contextos de alta resolução in loco, sendo uma poderosa ferramenta para professores mostrarem relações e conexões, além de melhorar a experiência de aprendizado do aluno. 

Segundo a Artemisia, a tecnologia da Eruga torna o conteúdo curricular mais significativo e permite que o professor maximize o tempo dedicado a explicar a matéria e tirar dúvidas. 

A startup foi criada em 2013 por Wellington Moscon, Igor Pieruccini e Priscila Moscon.

Wellington, CEO da Eruga, atuou entre 2011 e 2014 na Squartz Technologies como diretor de projetos e novos negócios. Também teve passagens por empresas como Hartmann Consultoria em TI, Tivit e GVT.

A Artemisia é uma organização sem fins lucrativos focada na disseminação e no fomento de negócios de impacto social no Brasil. 

Segundo a instituição, “o conceito de negócio de impacto social responde ao anseio de jovens empreendedores que querem transformar positivamente o mundo”. Para a organização, o que parece utópico é uma realidade lucrativa. 

O mercado potencial nacional de educação é estimado em R$ 60 bilhões, de acordo com o estudo “Oportunidades em educação para negócios voltados à população de baixa renda no Brasil”. 

Conduzida pelo Inspirare e pela Potencia Ventures com o apoio da Artemisia, a pesquisa mostrou que o mercado brasileiro de ensino está entre os 10 maiores do mundo, com faturamento estimado entre R$ 53 bilhões a R$ 55 bilhões por ano (2010).   

Nos últimos três anos, a Artemisia articulou, com o programa Aceleradora, R$ 28,7 milhões para 47 negócios acelerados, que tiveram um aumento de 79% de receita. 

Sobre o investimento em negócios de impacto, uma pesquisa mostra que o mercado brasileiro de investimento de impacto é hoje de US$ 177 milhões – geridos por nove fundos sediados no Brasil.