Redes Blockchain são uma tendência crescente e podem transformar negócios. Foto: Pixabay.

Já há alguns anos ouvimos que as redes Blockchain irão transformar o mundo como o conhecemos, porém pouco se tem conseguido explicar sobre por que e como essa revolução irá ocorrer. 

Blockchain é um modo de armazenar dados, de uma forma segura, distribuída, imutável e, portanto, incorruptível. Sobre segurança, pense em Blockchain como um livro contábil, onde cada página contém uma quantidade de transações armazenadas e criptografadas, carregando uma chave criptográfica gerada a partir dos dados das transações e o código criptográfico da página anterior. Para fazer uma modificação em determinada página, será necessário quebrar a criptografia da transação, da página e de todas as seguintes, o que matematicamente é impossível com os recursos computacionais de hoje. As redes Blockchain também são distribuídas de forma que a estrutura de armazenamento dos dados reside em mais de um servidor, tornando muito mais difícil destruí-las. Em geral, cada participante (empresa, órgão governamental, consórcio, etc.) contém ao menos uma estrutura de armazenamento e processamento.

 

Por que Blockchain é tão disruptivo?

O principal atrativo nas redes Blockchain são os contratos inteligentes – algoritmos, normalmente desenvolvidos nas linguagens Golang, Javascript ou Solidity, que armazenam o estado de um ativo num determinado fluxo de negócio e permitem a execução de regras de negócio baseadas no comportamento do ativo ou do ambiente a sua volta. Essas regras podem viabilizar o disparo automático de workflows, como envio de notificações aos participantes, processamento de pagamentos automáticos, aplicação de bônus ou multas, autorização de etapas, etc.

Outro aspecto importante é que, após a inicialização de um contrato, não é mais possível alterar o algoritmo que controla as suas regras. Com isso, atingimos o compliance, com regras pré-especificadas e imutáveis.

 

Como as companhias poderão se beneficiar ao utilizar-se de Blockchain?

Vamos imaginar uma grande companhia alimentícia que compra gado de criadores, faz o processamento da carne em suas unidades frigoríficas e embarca essa mercadoria em veículos de uma empresa parceira, que deverá transportar e manter esses produtos em condição específicas para exportá-los a um determinado país. O governo desse país, por sua vez, determina que precisa consultar a rastreabilidade total dos lotes de carne para permitir a sua entrada. A rastreabilidade inclui requisitos como certificações de vacinas do gado, certificação ambiental e do ministério do Trabalho e do frigorífico, datas, horas e condições de temperatura dos veículos, depósitos e contêineres em que a carne foi transportada.

Nesse caso, uma rede Blockchain possibilita novos negócios que não eram possíveis antes por desafios de infraestrutura, tecnologia, compliance ou força de trabalho.

Os produtores de gado, por meio de uma aplicação distribuída para smartphones ou computadores, enviam os certificados ambientais, de saúde animal e do Ministério do Trabalho na rede Blockchain, que não poderão mais ser alterados ou removidos.

A unidade frigorífica terá condições de rejeitar animais ou fazendas que não estejam com a documentação em dia e registrar datas, veículos, unidades e colaboradores responsáveis pela recepção da carga.

No processamento da carne, o número de lote vindo do ERP, informações sobre colaboradores, condições ambientais e sanitárias devidamente assinadas por auditores são também gravados na rede Blockchain, agregando valor ao produto e sendo anexados aos dados dos animais e respectivos produtores.

O operador logístico precisará informar as condições ambientais de cada depósito, veículo, contêiner ou navio em que o lote seja acondicionado. Esse passo permite em determinadas situações, como em uma falha contínua numa unidade de resfriamento, a aplicação de multas ou até mesmo a invalidação do produto. Também impede práticas como o descongelamento e congelamento da mercadoria ao longo do processo logístico, o que altera significativamente a sua qualidade.Além disso, é possível impulsionar o negócio do operador logístico ao demonstrar com transparência a parceiros atuais e futuros que sua operação é confiável.

Por fim, o órgão do país importador atua como auditor de toda a operação, checando as etapas de transição do lote, desde a fazenda até a recepção do produto no novo país. Esse processo também pode ser expandido ao consumidor final, que terá condições de acessar os dados de todo o fluxo com seu smartphone na gôndola do supermercado, por meio de QR Code.

 

Qual framework devo escolher para iniciar uma jornada de transformação digital usando Blockchain?

O Hyperledger é o principal e mais difundido framework para redes Blockchain corporativas, em constante evolução e escala global, atualmente mantido pela Linux Foundation e um consórcio de empresas do calibre de SAP, IBM, Intel, Cisco, American Express, entre outros. Está disponível no sistema de nuvem, totalmente portável no SAP Cloud Platform, Microsoft Azure e Amazon AWS. Destaco a nuvem da SAP pela facilidade de integração e consumo do ERP, CRM, SCM e Ariba.

 

Conclusão:

Redes Blockchain são uma tendência crescente e podem, sim, ser usadas para disrupção e transformação ou criação de possibilidades de negócio. Caso você queira saber mais, entre em contato com a ITS.