Galvão Bueno e Adriano Miolo. Foto: divulgação.

Galvão Bueno, além de emprestar sua voz para narrar esportes, também é um declarado amante de vinhos. Para reforçar este lado, Bueno agora é um dos sócios da Miolo Wine Group, conforme anunciou a vinícola nesta semana.

De acordo com a revista Amanhã, a empresa de Bento Gonçalves não divulgou valores sobre o investimento do locutor ou a porcentagem da empresa que adquiriu, mas afirmou a participação da consultoria PwC, que conduziu a transação.

Segundo destaca a vinícola, o ingresso de Galvão no grupo contribuirá para a expansão dos negócios da empresa. O plano da Miolo é subir dos atuais R$ 130 milhões para R$ 500 milhões em faturamento anual até 2020.

“Para nós é uma grande satisfação contar com o Galvão Bueno fazendo parte do nosso grupo. Tenho a certeza de que ele virá para fortalecer ainda mais nosso projeto de vinhos de qualidade e terá uma contribuição fundamental na construção da imagem e notoriedade que conquistamos até hoje”, comemora Adriano Miolo, superintendente do grupo.

GALVÃO NO SUL

O envolvimento de Bueno com a Miolo não é de hoje. Em 2009, a empresa desenvolveu os Bueno Paralelo 31 e Bueno Cuvée Prestige, produtos assinados pelo apresentador global.

O narrador possui uma propriedade de 30 hectares na região da Campanha, onde produz a matéria-prima para a produção de seis vinhos entre tintos, brancos e espumantes.

Não apenas uma amante da produção de vinhos gaúcha, Galvão abertamente declarou seu apreço pelo Rio Grande do Sul em diversas ocasiões. Talvez seja por este motivo que o narrador invista tanto em iniciativas do estado.

Entre os investimentos de Bueno estão propriedades em Bagé, estâncias em Santo Antonio do Cerro e criações de gado, ovinos e de cavalos crioulos. Além disso, ele é sócio da vinícola Almadén, de Santana do Livramento.