Stefanini levantando a bandeira da qualidade. Foto: divulgação.

A Stefanini acaba de se tornar a única empresa do Brasil a ter MPS.Br A e C, níveis mais altos do modelo de qualidade de software brasileiro, em três fábricas de software.

A lista inclui a unidade de Jaguariúna, em São Paulo, que recebeu o nível A, e as fábricas do Distrito Federal e Porto Alegre, que levaram o nível C.

A consultoria paulista já havia obtido a certificação A em 2009, mas ao final de 2012 encerrou uma avaliação de mais de 900 horas nas três unidades agora contempladas, passando por análise de processos, produtos, institucionalização e aderência ao modelo que resultou na conquista dos dois níveis em todos os quesitos.

“É um processo contínuo e gradual. De 2011 pra cá investimos por volta de R$ 3 milhões na implementação e evolução do framework de processos e em ferramentas de apoio nas fábricas de software, e isto está sendo disseminado a todas as unidades, no Brasil e exterior”, afirma Bráulio Carvalho, diretor das Fábricas de Software da Stefanini.

Desenvolvido pela Softex, o MPS.Br se baseia em modelos como a ISO 15504 e CMMI, e possui sete níveis de maturidade, que vão do G ao A, em nível crescente.

Mais de 400 empresas já passaram por avaliações MPS.Br no país.

A Stefanini tem mais de 20 fábricas de software espalhadas pelo Brasil, Argentina, México, Perú, Colombia, Estados Unidos, Índia, China e Romênia, com aproximadamente 7,8 mil colaboradores.

As unidades atuam em projetos, sustentação de aplicações, fábrica de programas, SOA, mobilidade, SAP, portais, Sharepoint, consultoria em maturidade de software, outsourcing, consultoria em gestão e outros.

Presente em 30 países, a Stefanini também inclui em sua oferta integração e BPO para processos de negócios.

A companhia paulista está entre as 100 maiores empresas de TI do mundo, segundo o ranking da BBC News, e foi apontada como a terceira transnacional mais internacionalizada pela Fundação Dom Cabral.