Lenovo leva mais uma da IBM. Foto: divulgação.

A Lenovo anunciou nesta quinta-feira, 23, que fechou a compra da divisão de servidores x86 e serviços de manutenção relacionados da IBM, pelo valor de US$ 2,3 bilhões.

O acordo abrange as as divisões System X, BladeCenter e Felx System de servidores blade e switches, assim como os sistemas Flex baseados em x86. Outros ativos negociados pela IBM foram os servidores NeXtScale e iDataPlex, e operações de rede e manutenção.

Segundo informações da PC World norte-americana, a IBM ainda ficará com sua divisão System Z de mainframes, Power Systems, Storage Systems, servidores Flex, e aplicações em  PureApplication e PureData.

Pelos termos da compra, a fabricante chinesa pagará US$ 2,07 bilhões em dinheiro pela unidade de negócios da Big Blue, completando o valor em ações.

Além da multinacional chinesa, uma empresa hoje avaliada em cerca de US$ 16 bilhões, outras companhias estavam em conversas para a compra, entre elas a Dell.

A manobra da Lenovo abre possibilidades para a fabricante chinesa. Embora ela ocupe a liderança no mercado global de PCs, na frente de concorrentes como HP e Dell, a empresa sentiu o baque da queda nas vendas de computadores, devido à popularidade de dispositivos móveis.

Inclusive, a companhia asiática ganhou força neste segmento a partir de 2005, quando comprou por cerca de US$ 1,5 bilhão a divisão ThinkPad de PCs da IBM.

Conforme apontam analistas, agora o momento da Lenovo é de diversificação, com investimentos em novas linhas de produtos, como smartphones, tablets e, no caso da nova aquisição, equipamentos de infraestrutura de TI.

No Brasil, no ano passado a multinacional comprou por US$ 300 milhões a brasileira CCE, de olho na fabricação de produtos mais acessíveis para o mercado nacional.

No entanto, para analistas como Rajnish Arora, do IDC, oferecer o hardware pelo menor preço pode não ser o suficiente para a Lenovo no mercado de servidores.

"Você precisa ter um ecossistema bastante robusto de soluções e parcerias que trabalhe ao seu lado e que contribua para a evolução do negócio", avalia Arora.

Por outro lado, especialistas reconhecem que a entrada da companhia chinesa neste mercado traz credibilidade à marca, e também renderá lucros maiores, já que servidores são vendidos a margens maiores do que produtos para consumidor final.

De acordo com estimativas do banco Morgan Stanley, a divisão x86 da Big Blue rendeu lucros de US$ 4,9 bilhões à empresa em 2012. Para fins de comparação, apenas no quarto trimestre de 2013, o setor de hardware da IBM faturou US$ 4,3 bilhões.