Laércio Cosentino, CEO e fundador da Totvs.

A Totvs fechou o ano passado com uma receita líquida total de R$ 2,2 bilhões, redução de 3,5% sobre 2015. 

No quatro trimestre, o valor total foi de R$ 550 milhões, uma queda de 3,7%. Com essa nova divulgação de resultados, a gigante brasileira de ERP fecha o que parece ser um ano para esquecer, com quatro trimestres consecutivos de queda no faturamento.

Depois de fechar 2015 com um crescimento de 3%, um resultado fraco frente a uma média histórica sempre acima de 10%, a Totvs emendou decréscimos de 1%, 2% e 6,9% nos trimestres seguintes, sempre na comparação com mesmo período do ano passado.

O resultados são produto da recessão econômica no Brasil (operações internacionais representam só 4% da receita) combinado com a migração do modelo de negócios para software como serviço, que inicialmente causa deferimento de receitas para o futuro.

A situação econômica brasileira não está sob controle da Totvs, mas em sua divulgação de resultados a empresa voltou a frisar o progresso na transição para o modelo de subscrição.

Essa mudança resultou no aumento de 21,4% da receita de subscrição, comparada a 2015, somando R$ 229,2 milhões. 

No 4T16, o crescimento foi de 28,8% em relação ao 4T15, em um total de R$ 64,1 milhões. A empresa projeta seguir aumentando o ritmo e crescer 30% essa modalidade de receita em 2017.

A expectativa baseia-se no crescimento das vendas de TOTVS Intera, das soluções Fly01 para microempresas e de Bemacash, solução de negócio que combina software de gestão Fly01 com soluções de hardware de automação e fiscais da Bematech.

A evolução da subscrição contribuiu para a estabilidade da receita de software no ano, com a conquista de mais de 4 mil novos clientes nesse modelo. A receita de software somou R$ 1,25 bilhão em 2016, 8,9% acima do registrado no ano anterior.

O lucro líquido ajustado caiu 42,8%, para R$162,0 milhões em 2016, Já o EBITDA ajustado sofreu um impacto maior, caindo 22% para R$ 359 milhões, com margem baixando de 20,2% para 16,4%. 

Para o final de 2017, a empresa prevê EBITDA Ajustado entre R$ 359 milhões e R$ 395 milhões, com crescimento entre 0% e 10%, respectivamente, sobre o ano anterior. 

A projeção se pautou em premissas de diluição de custos e despesas, em função do crescimento de receita líquida da companhia.

“A evolução da subscrição observada nos últimos 18 meses, combinada com os investimentos realizados pela companhia e as oportunidades do mercado brasileiro, nos trazem a confiança de que estamos no caminho certo para a retomada do crescimento e da lucratividade da Totvs em 2017”, destaca Laércio Cosentino, CEO da Totvs.

A Totvs tem um posicionamento de mercado sólido no qual se apoiar. De acordo com dados o estudo anual sobre o mercado de TI feita pela Fundação Getúlio Vargas (EAESP-FGV), a empresa tem 50% dos clientes com até 170 usuários de ERP no país.