Cyro Diehl, CEO da Cloud Target. Foto: Divulgação.

Cyro Diehl (ex-presidente da Oracle), Betina Testoni (ex-VP da Officer) e Erik Baptista (ex-diretor executivo da Planus Datacenter) se uniram para fundar a Cloud Target, focada em computação em nuvem para acelerar a transformação digital.

Em seu primeiro ano de atuação, a empresa espera atender a cerca de 70 clientes. Hoje, as conversas têm acontecido em sua maioria com empresas de médio porte.

A Cloud Target considera que um dos desafios enfrentados pelas empresas na transformação digital é ter as áreas de tecnologias quase 100% ocupadas em manter os sistemas atuais funcionando e atualizados, além de não possuir o conhecimento total de um ambiente em nuvem.

A estratégia da companhia é, inicialmente, simplificar o ambiente de TI das empresas, movendo a maior parte da carga para o ambiente de nuvem, para abrir a possibilidade da entrada de novas tecnologias como machine learning, inteligência artificial e internet das coisas.

No segmento de migração para nuvem, a empresa tem o objetivo ser multicloud, oferecendo os ambientes Amazon, Microsoft, IBM, Google, Oracle ou Alibaba.

Para atender os clientes, a empresa criou duas plataformas. A primeira é a de serviços, que possui quatro etapas: avaliação, migração, operação e otimização. 

Com essas ofertas, a empresa busca identificar qual a parte dos negócios dos clientes  podem migrar para uma nuvem para depois apoiá-los no processo de transferência e no monitoramento do ambiente, otimizando os recursos em nuvem quando necessário. 

A segunda plataforma é a de soluções, que possui produtos focados em acelerar a adoção da nuvem. As ferramentas oferecidas pela empresa são baseadas em sistemas do mercado customizados para contar com a marca Cloud Target.

Hoje, a empresa conta com as seguintes ofertas:

ASaas (Acesso Seguro como Serviço), para melhorar a performance do link de internet com o filtro de navegação web; 

MaaS (monitoramento como serviço), oferecendo visualizações de dados;

IaaS, para reduzir custos de licenciamento, hardware e mão de obra; 

DRaaS (disaster recovery como serviço), eliminando site secundário e reduzindo recursos de TI internos, para suportar o plano de recuperação;

BKaaS (backup como serviço), com agentes especializados para banco de dados e dados criptografados num ambiente controlado e com diário de bordo;

e DaaS (desktop como serviço), para reduzir a complexidade do gerenciamento de TI.

“Com a simplificação de TI, a área de tecnologia permite explorar novas tecnologias em parceria com as áreas de negócios, para sim fazer a transformação ou disrupção necessárias, utilizando um mundo de inovação disponível, com um time-to-market dessas novas tecnologias”, destaca Cyro Diehl, CEO da Cloud Target.

A empresa também terá canais para oferecer serviços com o seu modelo. Por enquanto, o foco dos parceiros está no interior de São Paulo, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

Com sede em São Paulo, a Cloud Target conta hoje com uma equipe de 40 pessoas. Até o final de 2017, o número poderá chegar a 50.