O investimento prevê a construção de duas fábricas no Paraná. Foto: flickr.com/photos/@N04

As indústrias Flessak Energia Eólica (Feel), de Francisco Beltrão, no Paraná, e a Global Blade Technology (GBT), com sede na Holanda, assinaram nesta quarta-feira um termo de cooperação para a fabricação de equipamentos para geração de energia eólica.

O investimento inicial é de US$ 50 milhões, que engloba a construção de duas fábricas: uma de turbinas eólicas em Francisco Beltrão, e outra, de pás para turbinas, em Toledo, no oeste paranaense.

O documento foi assinado também pelo governador Beto Richa, no Palácio Iguaçu. “Mais uma empresa acredita no novo momento do Paraná. Esse empreendimento está alinhado com o novo ciclo paranaense de desenvolvimento pela via da industrialização. Investimentos em energias renováveis são bem-vindos ao Paraná”, declarou Richa.

O presidente da Feel, Pedro Antônio Furlan, explica que a empresa paranaense será a única no País a dominar todo o processo tecnológico na produção de turbinas eólicas. “Isso representa um importante passo para nacionalizar a produção, hoje dependente da importação de componentes”, explicou Furlan.

Para o governador paranaense, o investimento em energia eólica é fundamental para a geração de riquezas e empregos e para a promoção do desenvolvimento sustentável.

A estimativa dos empresários é que sejam produzidas na nova fábrica cerca de 150 turbinas por ano a partir do segundo semestre de 2013, com faturamento aproximado de US$ 240 milhões. Serão criados cerca de 300 empregos.

O projeto estimula a inovação tecnológica em energia eólica no Brasil, pois o contrato entre as duas empresas prevê a transferência de tecnologia pela holandesa GBT. A Companhia de Energia de Elétrica do Paraná (Copel) pretende apoiar o investimento para a expansão do sistema eólico no Paraná.

ENERGIA LIMPA

Segundo dados do The Pew Charitable Trusts, o Brasil figura apenas atrás da China e Turquia nos investimentos em energia limpa nos últimos cinco anos, com um índice de crescimento de 49%.

Em 2011, o Brasil foi o nono país com o maior investimento na área, com R$ 6,9 milhões gastos.

Os investimentos mundiais em energia limpa alcançaram o valor recorde de US$ 263 bilhões em 2011.