Arthur Virzin, co-fundador do Flapper. Foto: Divulgação.

Está em operação no Brasil há cerca de dois meses o Flapper, um aplicativo para clientes encontrarem lugares disponíveis (ou oferecerem assentos) em voos privados.

O aplicativo foi criado por Arthur Virzin, que atuava como diretor de TI da Qiwi Brasil, e Sergei Terentev, que era CEO da mesma empresa, que atua no setor de pagamentos. O grupo ainda conta com Paul Malicki, CMO da Easy (antiga Easy Taxi) como um dos investidores-anjo.

A ferramenta contou com investimentos de cerca de R$ 1 milhão, feito pelos fundadores e investidores-anjo.

Por enquanto, o app está disponível somente para aparelhos com sistema iOS. Desde o início da operação, o Flapper realizou mais de 30 voos a partir de acordos firmados com quatro empresas de táxi aéreo, que somam cerca de 40 aeronaves, entre jatos e helicópteros.

A empresa relata que o Brasil é o segundo maior mercado do mundo em aviação privada. No entanto, apenas uma fração de voos, realizados por cerca de 200 empresas de jatos no país, é oferecida a um público maior. 

Clientes do Flapper podem buscar e agendar voos em tempo real e pagar diretamente pelo celular. O algoritmo do Flapper analisa e seleciona a melhor oferta (do ponto de vista de preço e ETA).

O passageiro pode comprar assentos disponíveis em um voo privado fretado ou "revender" os que não foram ocupados para outros usuários. 

Além disso, a plataforma oferece o recurso "Voos de Última Hora", monetizando diversos voos “de volta” com 50% de desconto ou, até mesmo, de graça para os membros do Programa de Fidelidade de Usuário Frequentes da Flapper.

No lado da operadora, a empresa oferece aos operadores de voos uma ferramenta CRM web e mobile, a fim de permitir um agendamento fácil de voo, bem como um gerenciamento de inventário, preço, promoções e ferramentas de análise da operação. 

A Flapper fica com um percentual sobre o valor dos assentos vendidos nos voos de ida. A taxa é maior nos voos de volta, que costumam ser vazios sem o uso do app;

Até agora, as viagens mais demandados pela ferramenta são entre Rio de Janeiro e São Paulo, além de voos para o litoral paulista, Angra dos Reis e Campos do Jordão.