Venda da Blackberry está encaminhada. Foto: divulgação.

A BlackBerry anunciou nesta segunda-feira, 23, que chegou a um acordo preliminar com o fundo Fairfax, um de seus principais acionistas, para a venda e fechamento de capital da empresa, em uma transação de US$ 4,7 bilhões.

A Fairfax, uma gigante no mercado de seguros canadense, assinou uma carta de intenção de compra, pagando US$ 9 em dinheiro por cada ação da fabricante de telefones. Atualmente, a empresa possui 10% da Blackberry.

Segundo aponta o Wall Street Journal, a transação ainda está longe de ser completada. A oferta ainda precisa passar pela aprovação de órgãos reguladores e por um período probatório, em que a Blackberry ainda pode receber outras propostas.

Isso sem contar que a Fairfax ainda está levantando o dinheiro para fechar, de fato, a compra. Da parte da Blackberry parece que a situação está encaminhada, com aprovação do conselho, afirmam fontes.

Se a BlackBerry voltar atrás na venda, ou optar por uma oferta melhor, terá que arcar com uma multa de US$ 0,30 por ação, um total de US$ 157 milhões. Esta multa pode saltar para  US$ 262 milhões caso seja firmado um acordo oficial e a Blackberry desistir.

Mesmo assim, para o jornal novaiorquino, a venda pode não representar uma salvação para a fabricante de telefones, que está no vermelho, mesmo com as tentativas de reaver algum prestígio no mercado de smartphones, com o BlackBerry 10.

No primeiro trimestre do ano fiscal 2014 a empresa contabilizou um prejuízo líquido de US$ 84 milhões, o que acendeu a luz vermelha para a companhia buscar novas estratégias de negócio, ou uma possível venda.

Para Prem Watsa, CEO do fundo Fairfax, a compra da BlackBerry pode abrir novas portas para a empresa - e isso pode representar um futuro além da produção e venda de telefones.

"Podemos entregar valor imediato aos acionistas, enquanto trabalhamos na execução de uma estratégia de longo prazo para prover superiores e seguras soluções corporativas para consumidores em todo o mundo", afirmou em nota.