Jean Carlo Klaumann, vice-presidente de Operações da Linx.

No começo do ano que vem, as imediações da Padre Chagas, endereço chique de Porto Alegre, vão ganhar integrantes novos nas mesas do happy our dos barzinhos da Calçada da Fama: mais exatamente, 300 profissionais de TI.

A Linx, maior player do mercado brasileiro de sistemas de gestão para varejo, unirá as operações das quatro empresas adquiridas no Rio Grande do Sul desde 2006 no prédio onde ficava a agência de publicidade DCS, que fechou as portas em março deste ano.

Ficarão no local os funcionários da Custom BS, especialista em software para varejo adquirida em 2006, da CNP, fabricante de sistemas para concessionárias de carros compradas em 2010 e da Direção e Seller, empresas de POS e TEF e sistemas para gestão de postos de combustíveis compradas neste ano.

Uma das empresas, a CNP, está transferindo as operações de Montenegro, distante 55 km da capital gaúcha. As três demais já estavam em diferentes pontos de Porto Alegre.

“As operações atuam em diferentes ramos e seguem com equipes separadas, mas vamos ter grandes ganhos unificando a infraestrutura, além de poder praticar uma política de RH melhor e ter mais visibilidade no mercado”, explica Jean Carlo Klaumann, vice-presidente de Operações da Linx.

De acordo com Klaumann, a operação de Porto Alegre será a segunda maior do país em funcionários, atrás apenas da de São Paulo. Ao todo a Linx, que desde 2008 já adquiriu 12 empresas, tem 1,2 mil funcionários no Brasil.

Parte do atrativo de levar a sede para a antiga sede da DCS, no seu momento uma das maiores agências de publicidade do Rio Grande do Sul, é justamente aumentar a visibilidade do tamanho da operação gaúcha, admite o executivo.

“Nossa presença no Rio Grande do Sul é muito discreta”, comenta o vice-presidente de Operações da Linx.

A Linx, paulista especializada em tecnologia de gestão para o varejo, encerrou o segundo trimestre de 2013 com receita operacional líquida de R$ 74,3 milhões, alta de 32,2% sobre os R$ 56,2 milhões do 2T12.

O Ebitda atingiu R$20,3 milhões, aumento de 56,4% em comparação ao mesmo período do ano pasasdo, e o lucro caixa da companhia foi de R$19,3 milhões, alta anual de 119,8%.