App de motoboys leva aporte de R$ 10 mi. Foto: divulgação.

A Loggi, serviço online de solicitação de motoboy expresso, recebeu um novo aporte financeiro no valor de R$ 10 milhões, repassado pelos fundos de capital de risco Monashees Capital e Qualcomm Ventures.

O investimento apoiará a expansão da Loggi no país, focando em engenharia e desenvolvimento de sua tecnologia, atendimento ao cliente, marketing. Também estão nos planos a abertura de operações em novas cidades no Brasil.
 
Atualmente, a Loggi presta serviços em São Paulo e região, como Guarulhos, Osasco, Mauá, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, entre outras cidades.

Em operação desde outubro de 2013, a Loggi contou com um aporte inicial de R$ 2,6 milhões, vindos de investidores-anjo.

Com o aporte, a Loggi se arma na briga contra outras empresas como serviços semelhantes, como a startup SpeedyBoy, que laçou seu app em maio deste ano.

Outro concorrente é a Rapiddo, que entrou no mercado no início de 2014, com uma plano de ação agressivo, oferecendo promoção especial para empresas e descontos. A empresa contou com um incentivo de R$ 5 milhões da Movile.

Recentemente, a Loggi apresentou duas novidades: a bike-entrega, permitindo que o cliente opte por entregas com ciclistas, e o protocolo digital de entrega, que permite, imediatamente após a entrega, que o cliente possa visualizar a assinatura digital do responsável pelo recebimento, evitando a viagem de retorno e o uso desnecessário de papéis.

“Nosso compromisso é de sempre aperfeiçoar a nossa tecnologia, serviços e suporte ao cliente, levando em consideração destacar a relação com os mensageiros em nossa cadeia de valores”, aponta Fabien Mendez, CEO da Loggi.

No início de setembro, a Loggi contratou Rodrigo Botinhão, ex-Tricae, como novo vice-presidente de marketing da empresa, com o papel de prospectar clientes, assim como planejar e desenvolver a área de vendas.