Cristiano Iop. Foto: divulgação.

A Sikur, empresa gaúcha voltada ao segmento de comunicação e segurança corporativa, firmou novos acordos de distribuição nacional e internacional, com o plano de crescer sua base de mil para 12 mil usuários até o final do ano.

Para isso, a empresa assinou parcerias com a Officer para a distribuição nacional, e com a MGI para levar seu produto, lançado em novembro, para mercados internacionais, começando por países como México, Peru, Colômbia e Chile.

A Sikur já tem clientes em países como Espanha e Alemanha. O crescimento nestes mercados estão na mira da empresa a partir de 2015, incluindo outros países europeus, Ásia e Estados Unidos.

O mercado é bom, segundo analistas. Conforme dados da Markets And Markets, aplicações de segurança em TI deverão movimentar cerca de US$ 120 bilhões até 2017. E é desse bolo que a Sikur quer a sua fatia.

Para a companhia, o plano para 2014 é faturar cerca de US$ 3 milhões no mercado internacional, impulsionado pelo lançamento da solução em feiras no exterior. Até 2016, a meta é superar R$ 100 milhões em faturamento.

Para o mercado nacional, a Sikur mira um faturamento de aproximadamente R4 20 milhões, conforme destaca Cristiano Iop, CEO da companhia.

"Planejamos uma receita de R$ 8 milhões no segmento corporativo, como bancos e serviços. Para o setor público, estimamos um faturamento de R$ 9 milhões", destacou Iop.

Para isso, atualmente a Sikur conta com cerca de cem revendas licenciadas no território nacional. Desde número, cerca de quarenta estão treinadas para projetos de implantação.

Na América Latina, a largada será com cinquenta revendas, com quinze delas já treinadas. A companhia estima aumentar estes números, tanto no país quanto fora, ao longo dos próximos meses.

"Queremos nos firmar como uma fornecedora de soluções e serviços, presente em todo o país. Não queremos ficar com nossa solução apenas na 'venda na caixinha'", observou o executivo.

Integrante da holding Ciberbrás, a Sikur desenvolve uma plataforma de rede privada para empresas, com recursos avançados de segurança e criptografia, que podem rodar em ambiente de nuvem privada ou pública, usando data centers da AWS e Azure.

Com investimento de R$ 5 milhões, para um desenvolvimento iniciado em 2009 e concluído no ano passado, a solução agrega funcionalidades como troca de mensagens, storage e compartilhamento de arquivos, chat, entre outras, mas com um nível quase militar de proteção aos dados.

"Usamos diversos níveis de proteção e acesso às informações, como tokens, senhas, além das camadas de encriptação", explica Iop, frisando que a plataforma está disponível nas versões enterprise, corporativa e mobile, definidas para atender as demandas de cada porte de empresa.