Taurus é dos maiores fabricantes de armas curtas. Foto: flickr.com/photos/retrocactus

O presidente do conselho e principal acionista da Forjas Taurus, Luiz Fernando Estima, está tentando uma manobra vista por investidores como uma tentativa de retomada do controle da companhia gaúcha.

Segundo revela o Valor Econômico, Estima tenta aprovar uma capitalização de R$ 200 milhões, sem o aval da maioria dos conselheiros e à revelia de acionistas minoritários.

O objetivo da operação seria diluir a participação acionária nos minoritários e obter poder para tomar decisões importantes sem a influência dos demais acionistas.

Estima já teve mais de 90% das ações ordinárias, mas, após uma reorganização societária em 2011, essa participação caiu para 43,8%. 

Hoje, dos sete membros do conselho, dois foram indicados pela Previ, que tem 24% do capital e outros dois são independentes.

A capitalização proposta por Estima não passou pelo crivo do conselho por quatro votos a três. Ficaram do lado do presidente o seu sobrinho, Fernando Estima, e o conselheiro Ruy Lopes. 

De acordo com o Valor, o resto dos conselheiros foi pego de surpresa pela manobra, assim como os diretores da empresa.

Apesar da discordância, o presidente do conselho utilizou uma brecha prevista na lei para convocar uma assembleia que avaliará a operação no dia 29. 

Segundo informações do site da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Previ, a gestora Grandprix - que tem 5% do capital -, o fundo Argucia e o investidor Joaquim Baião entraram com pedido para adiamento da reunião.

A Forjas Taurus registrou lucro líquido de R$ 5,1 milhões no terceiro trimestre de 2013, queda de 46,5% ante o mesmo período do ano passado.

A receita líquida consolidada da companhia ficou em R$ 218,7 milhões entre julho e setembro deste ano, crescimento de 44,8% em relação a igual período de 2012.