Deu tudo errado no projeto do site, que acabou na Justiça. Foto: Pixabay.

A Hertz, gigante americana de aluguel de carros, está processando a Accenture, não menos gigante consultoria empresarial, por um projeto de novo site que deu errado. Muito errado. 

Segundo revela o site The Register, a Hertz quer de volta os US$ 32 milhões que gastou com a Accenture ao longo de um projeto que iniciou em agosto de 2016, com previsão de go live para dezembro de 2017, foi atrasado para janeiro de 2018, depois abril de 2018, quando novamente não foi entregue. 

Nessa altura do campeonato, a Accenture pediu mais US$ 10 milhões para finalizar o projeto, a Hertz cancelou o contrato e entrou na Justiça. Procurada pelo The Register, a Accenture disse que a ação “não tem mérito” e disse que não faria mais comentários.

O processo movido pela Hertz traz informações chocantes, como o fato de que o novo site feito pela Accenture não incluiu design responsivo, uma funcionalidade que faz com que o site se adapte à tela no qual está sendo aberto (o novo site do Baguete, feito pela Agência Dupla, tem design responsivo).

No lugar de fazer o que é hoje o padrão (e estava incluído no contrato), a Accenture, segundo afirma a Hertz, fez apenas um site para desktops e outro mobile. Quando a Hertz pediu um site para tablets, a Accenture mandou uma conta extra.

Ainda de acordo com a ação da Hertz, o software do site de e-commerce tinha problema de segurança e performance.

Na parte de gerenciamento de conteúdo, a Accenture indicou a compra de um software chamado Rapid para agilizar o desenvolvimento. O problema é que, de acordo com a Hertz, ela mesma não sabia usar a solução.