Fundo usa a esteira de crédito da Biz Capital. Foto: Pixabay.

O Estímulo 2020, fundo destinado a emprestar dinheiro a custo quase zero para micro e pequenos empresários, já conta com pelo menos 17 executivos comprometidos a colaborar com R$ 20 milhões.

Segundo o site Brazil Journal, o fundo usa a esteira de crédito da Biz Capital, uma fintech acostumada a emprestar para PMEs, e os dados de quem pede o empréstimo são validados pela Neoway, empresa de big data analytics.

Para receber a ajuda, as empresas precisam ter faturamento entre R$ 360 mil e R$ 2 milhões ao ano, além de existirem há pelo menos três anos.

O valor do empréstimo é igual a um mês de faturamento e o tomador recebe em três parcelas.

Usando os sistemas da Stone, que monitoram a movimentação de todas as maquininhas de cartão, o fundo vai acompanhar a performance do tomador e decidir se desembolsa as outras duas parcelas.

Ainda de acordo com a publicação, o empréstimo tem três meses de carência depois que a última parcela é recebida e corre a juros de 0,33% ao mês.

Para se candidatar, os empresários devem preencher seis campos de informação, incluindo seu CPF, CNPJ e faturamento mensal estimado.

Quando o crédito é aprovado, um banco faz o empréstimo, mas o título é imediatamente comprado pelo fundo, usando os recursos das doações.

Como o dinheiro é limitado, o fundo excluiu da lista de potenciais tomadores atividades que resistem bem à crise, como o setor farmacêutico e o de pornografia.

O primeiro contrato foi assinado na última quinta-feira, 26, com o dono de três centros de fisioterapia que, mesmo faturando R$ 2 milhões por ano, já foi atingido pela crise. 

“Se a sociedade civil não se mobilizar, nós vamos matar o empreendedorismo no Brasil. Se tiver uma quebradeira geral a gente vai jogar fora uma geração inteira de empreendedores”, ressaltou Eduardo Mufarej, investidor e empresário que idealizou a iniciativa, ao Brazil Journal.

Mufarej é fundador do RenovaBR, organização educacional voltada a pessoas que querem entrar para a política, e da startup Alicerce Educação, focada no ensino fundamental. O executivo também se dedica ao boards da startup Tembici e da União Brasileira de Rugby.

Nos Estados Unidos, empresas e câmaras de comércio locais já criaram quase 500 fundos para ajudar pequenas empresas desde que o lockdown começou. No Brasil, o Estímulo 2020 é o primeiro fundo deste tipo.

Segundo a publicação, a iniciativa está começando pela Grande São Paulo, mas a ideia é que empresários de todo o país se organizem localmente e usem a plataforma para viabilizar empréstimos em suas cidades. 

Além da ajuda monetária, o Estímulo 2020 vai oferecer a todos os empreendedores que se cadastrarem na plataforma um pacote de treinamento e requalificação desenhado pelo Ibmec, instituição particular de ensino superior. 

As aulas online, que vão focar na educação financeira, incluirão palestras de alguns dos empresários que doaram à iniciativa.

Todas as empresas também terão acesso gratuito à plataforma da VTEX que permite ao empreendedor criar sua loja virtual e a Omie está dando acesso a seu sistema de gestão por seis meses.

A BizCapital foi fundada em 2016 e é uma Fintech de crédito on-line focada micro e pequenas empresas. Já recebeu mais de 100 mil solicitações de crédito em todo o Brasil, superando R$ 2 bilhões em pedidos.

Fundada em 2002, a Neoway tem sede em Florianópolis e filiais em São Paulo, Nova York e Portugal. A companhia conta com mais de 300 funcionários e já captou US$ 105 milhões com investidores.

Listada na Nasdaq, a Stone é uma fintech fundada em 2012 e tem mais de 450 mil clientes em mais de 1,5 mil cidades brasileiras.