Luciano Piazza.

Tamanho da fonte: -A+A

Luciano Piazza, ex-diretor executivo de administração e finanças da cooperativa Piá, acaba de assumir como CFO da Brasil TecPar, grupo de empresas do setor de telecomunicações.

Piazza é um executivo experiente da posição, tendo passado por cargos de diretoria e gerência na área em diferentes empresas desde os anos 90.

Além da Piá, que tem faturamento na casa do R$ 1 bilhão, o profissional foi CFO na Auxiliadora Predial, uma das maiores empresas de condomínios do país, na rede de hotéis Intercity, controller na Arezzo.

A Brasil TecPar já fez 30 incorporações de provedores de acesso a internet, totalizando 110 mil clientes em 100 cidades gaúchas, com as marcas Ávato, para o segmento corporativo, e Amigo, para o consumidor final.

O plano é atingir o valor de R$ 1 bilhão em valor de mercado até 2022, ficando entre os 10 maiores players do segmento no país, com uma abertura de capital em 2023.

A empresa tem entre seus sócios nomes conhecidos no mercado de telecom gaúcho como Gustavo Pozzebon Stock, diretor de relações estratégicas da Ávato e fundador da GPSNet e Adalberto Schiehll, ex-diretor da SIM Telecomunicações.

“O desafio na Brasil TecPar chama muito atenção em função da sua área de atuação e pela estrutura de governança que a empresa possui. O setor passa por um processo de consolidação forte”, afirma Piazza.

O Brasil tem mais de cinco mil provedores regionais, espalhados por partes do país que não são atendidas por grandes operadoras.

Mas existem alguns indícios de que isso pode mudar, com investimento pesado entrando no segmento.

A EB Capital, gestora de private equity de Eduardo Sirotsky Melzer, levantou no ano passado R$ 2 bilhões para a EB Fibra, seu projeto de banda larga. 

Outra empresa que está investindo forte é a Vero Internet, que tem 371 mil assinantes em 105 cidades espalhadas por Paraná, Santa Catarina, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

O plano de investimentos prevê R$ 750 milhões até 2023, visando chegar a 200 municípios atendidos.

Quem está bancando as compras é o fundo Vinci Partners, que criou a empresa em 2019 e desde então já fez 10 aquisições de provedores regionais.