David Nahon e Tiago Calegari. Foto: Alex Bandeira

Avisar pessoas de confiança que você está bem ou que precisa de ajuda se tornou mais fácil com o lançamento do aplicativo Ooli. Focado em segurança pessoal, com apenas um toque, o usuário mantem informado uma rede de até cinco pessoas, sobre suas movimentações.

Criado pelo gaúcho Tiago Calegari e pelo belenense David Nahon, o aplicativo está disponível - inicialmente - para sistemas iOS. Calegari explica que a plataforma oferece seis opções de ocorrências: alerta, incêndio, acidente, furto, estou bem e emergência médica.

“Além de enviar o tipo de ocorrência, ele também disponibiliza um mapa de localização, para que a pessoa que recebeu a solicitação possa decidir qual a melhor ação a ser tomada” comenta. 

O executivo ressalta ainda que tudo é feito com apenas um toque, diminuindo o tempo e a necessidade de digitar, em casos por exemplo, de um acidente de trânsito, quando você não consegue pensar direito por razão do susto, comenta.

Tiago Calegari é empreendedor formado e pós-graduado em administração de empresas e consultor na área de segurança e tecnologia. David Nahon é especialista em segurança, pós-graduado em Gestão Financeira e especializado na Academia Israelense Contra Terrorismo (ISCA).

Os sócios investiram inicialmente R$ 250 mil para desenvolver a plataforma que concentra cerca de 1 mil usuários ativos. A estimativa é alcançar mais de 10 mil usuários até o final do ano.

Para rentabilizar o projeto, já que o app é gratuito, os criadores pretendem investir em personalização da plataforma para empresas interessadas, além de servir como cartão de visita para o desenvolvimento de outras aplicações relacionadas à comunicação.

“Com a vinda de muitos estrangeiros ao país, nós podemos, por exemplo, oferecer o serviço a hoteis, criando um meio de comunicação ágil e facilitado a comunicação entre os hóspedes e o hotel, casos venham a se perder ou sofrer algum susto”, explica.

Outra utilização proposta pelo executivo se refere à pais com filhos adolescentes, inclusive, uma dos motivos que inspiraram a criação do app.

“Com a vinda do Nahon para Porto Alegre, ele tinha dificuldades para saber onde suas filhas estavam, o que o preocupava muito”,  conclui Calegari.