CRIME

Fraudes estão bombando

24/06/2022 08:54

Porcentagem de atingidos passou de 22% para 31% em apenas seis meses.

Toda a atenção é pouco. Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

O percentual de pessoas vítimas de golpes ou tentativas de golpe com um viés tecnológico decolou no Brasil, saltando de 22% do total em dezembro de 2021 para 31% em junho, seis meses depois.

É o que indica a mais recente edição do Radar Febraban, pesquisa Febraban-Ipespe realizada com 3.000 pessoas, nas cinco regiões do Brasil.

Os que se declaram mais atingidos são homens (33%), os que ganham mais de 5 salários mínimos (41%), têm nível superior (38%) e quem está na faixa etária acima de 60 anos (35%).

Ainda de acordo com o estudo, o golpe mais comum continua sendo o da  clonagem de cartão, que dessa vez chegou a atingir 64% dos entrevistados. 

Subiu 16 pontos em relação a dezembro de 2021 (48%), em questão de múltipla resposta.

Já as citações ao golpe do WhatsApp vêm crescendo gradualmente: 21% em setembro de 2021, 24% em dezembro de 2021 e agora, 25%. 

Também aumentou um pouco o percentual referente ao golpe do leilão ou da loja virtual (de 5% em dezembro do ano passado para 7% neste último levantamento).

A exceção da regra é o golpe da central falsa caíram de 28% para 26% (talvez porque existam alternativas mais fáceis de golpe?).

Veja também

CONSIGNADO
INSS: R$ 2,5 mil por um vazamento de dados

Se a moda pega, quando pode chegar a custar isso?

COMPRAS
Governo federal expõe dados de empresários

A companhia TI Safe descobriu a sua própria exposição ao participar de um pregão.

2022
Coreia do Norte cria profissional de TI fake

Espiões fingem ser funcionários remotos para colher dados e roubar dinheiro.

SEGURANÇA
PagSeguro é condenado a indenizar cliente

Vítima teve o celular roubado e bandidos conseguiram sacar R$ 9,9 mil do app.

VIDA REAL
Filme de terror com apps de banco viraliza

Roubo de celular gerou prejuízo de pelo menos R$ 160 mil para o dono.

FURO
Mais uma fraude no C6 Bank?

De acordo com Veja, sistema frágil teria permitido fraude de R$ 23 milhões.