Painel do EMM Brasil com Paquetá e Marisa.

O comércio através das redes sociais ou s-commerce, a nova moda da vez do comércio eletrônico, ainda está longe de ser uma realidade – ou mesmo entrar nos planos – do varejo brasileiro.

Foi a impressão que ficou da participação dos gerentes de e-commerce da Paquetá e da Marisa,  Anderson Rosa e Thiago Pereira no EMM Brasil, evento e-mail marketing e mídias sociais realizado em Porto Alegre nesta quarta-feira, 22.

“Existe muita conversa sobre o futuro do varejo social, mas ainda é só hype. O s-commerce para nós ainda é um traço”, resumiu com bastante franqueza Rosa, para quem as mídias sociais ainda são um canal para fazer branding e aproximar a marca dos clientes.

Pereira seguiu uma linha similar. “Menos de 10% dos nossos conteúdos em mídia social são orientados à vendas. Preferimos criar engajamento com as consumidoras”, destaca o executivo.

O gerente de e-commerce da Marisa frisou que a marca não obriga as interessadas em participar de promoções a serem fãs do perfil no Facebook, visando criar um engajamento voluntário com a marca.

Ambas marcas tem uma presença expressiva nas mídias sociais, com a Paquetá totalizando 4 mil seguidores entre os perfis @paquetaesporte e @lojaspaqueta e 3,6 mil curtidas no Facebook entre os dois perfis e a Marisa totalizando 23 mil seguidores e 251 mil curtidas na sua página.

Se o social commerce ainda não existe como uma ferramenta de vendas, o que tem fomentado a estratégia das empresas online? Ferramentas menos glamourosas, como o e-mail marketing, apontam os gestores.

“O e-mail é a nossa ferramenta número um em conversão de vendas”, afirma Pereira, destacando que na Marisa as ações de SEO e Adwords não entram na conta de marketing promocional e sim na área de inovação e link builing. “Pelo e-mail marketing é possível criar um desejo. O cliente que faz uma busca já sabe o que quer”, analisa o executivo.

Rosa, da Paquetá, deu um exemplo de como um banco de dados bem segmentado pode dar origens a ações com alto índice de retorno via e-mail.

“A vida útil de um tênis de corrida é de seis meses. Seis meses depois da compra, nós mandamos um e-mail com uma promoção de um novo tênis”, explicou o profissional, fazendo parecer fácil, o que na verdade é um uso bastante inteligente de informações.