COMUNICAÇÕES ÓPTICAS

BrPhotonics fabricará chips no Brasil

24/08/2015 10:02

Instalações da BrPhotonics. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A BrPhotonics, empresa criada no ano passado em uma parceria entre o CPqD e a norte-americana GigOptix, inaugurou na última sexta-feira sua unidade fabril em Campinas, interior de São Paulo.

Instalada no pólis de tecnologia, a BrPhotonics tem como foco de atuação o mercado global de dispositivos fotônicos e microeletrônicos para sistemas de comunicações ópticas de alta velocidade - acima de 100 Gb/s.

O plano da companhia é atingir um faturamento de R$ 30 milhões em dois anos. Em 2015, a receita estimada pela companhia é de R$ 4 milhões e em 2016, a empresa quer mais do que triplicar esse valor, chegando a R$ 15 milhões.

Nas novas instalações, a BrPhotonics fará o processamento e alinhamento de chips fotônicos em redes de fibra óptica de longa distância ou metropolitanas (metro) e para prover conectividade em cloud computing.

“São componentes de tamanho bastante reduzido em relação aos atualmente disponíveis no mercado, com capacidade para transmitir a mais de 100 Gb/s e com grande redução no consumo de potência”, explica Júlio César Rodrigues de Oliveira, presidente da BrPhotonics.

Para produzir esses componentes, foram montadas áreas limpas classe 100 e classe 10.000. A primeira recebeu os equipamentos para fabricação dos chips, que a GigOptix transferiu de sua planta nos Estados Unidos para Campinas.

“A área limpa classe 10.000 abriga a infraestrutura de empacotamento dos chips, enquanto a área classe 100 abriga as etapas de fabricação dos chips fotônicos”, destaca Oliveira.

Segundo ele, ainda neste ano, a BrPhotonics iniciará o envio de amostras de seus produtos para clientes interessados em realizar testes e qualificação. A produção em escala dos componentes terá início em 2016.

Conforme destacou a empresa em nota, o objetivo é "promover a convergência entre as tecnologias fotônicas e de microeletrônica, proporcionando maior densidade de informação (bit por área) nas aplicações de comunicações".

Com isso, a BrPhotonics espera atender à demanda crescente por capacidade de transmissão, de entretenimento on-demand e pelo processamento de grandes volumes de dados não estruturados (big data).

Para o presidente da BrPhotonics, o Brasil agora figura em um seleto time de países que produzem chips certificados para estes segmentos, ao lado de Cingapura e a Bélgica.

"Nós estamos capacitados para fazer todo o processo fabril, com 250 chipsets a partir de março. São chipsets com valor de mercado estimado entre US$ 2 mil a US$ 5 mil. Ao alcançarmos 12 mil chipsets ao final de 2016, vamos repensar o projeto fabril e a ampliação da unidade deixando a planta de Campinas para testes", explicou.

Segundo a fabricante, o mercado consumidor dos chipsets são os fabricantes de sistemas ópticos como a PadTec, empresa também do CpQD, Alcatel, Huawei, Ciena, entre outras.

Veja também

SOLUÇÃO
Conduspar mira expansão com SAP

A implementação envolveu a adoção das soluções ERP ECC 6.0, Soficom (fiscal), SAP Fiori e SAP BI.

FIBRA ÓTICA
FTTH Council LATAM tem novo presidente

Nelson Saito, gerente geral de Engenharia de Sistemas da Furukawa, reassume a função.

ANDANDO
Parque de Canoas tem interessados

Futuro parque tecnológico atraiu 21 interessados dos setores de eletroeletrônica e automação.

CIDADE DIGITAL
Não-Me-Toque inaugura anel de fibra óptica

Cidade tem anel de fibra óptica de 14 quilômetros.

INTERNET
Amapá tem banda larga por fibra óptica

O estado erá o único no Brasil ainda não atendido em fibra óptica.