Daniel Domeneghetti, CEO da E-Consulting.

O e-commerce brasileiro teve sua primeira queda em 12 anos no primeiro semestre, quando as vendas online somaram R$ 27,4 bilhões, uma queda de 2,35% em relação ao mesmo período do ano passado.

É o que aponta um levantamento da E-Consulting, com base nos resultados das vendas online de três setores: automóveis, bens de consumo e turismo. 

Dentre as três categorias mensuradas pela E-Consulting, o segmento de bens de consumo ainda possui maior representatividade com 51,8% da fatia do varejo online. 

Se no ano passado o cenário deste setor era aquecido, cuja arrecadação foi de R$ 32,2 bilhões, em 2016 as compras de televisores, geladeira, smartphones, dentre outros itens, crescerá apenas 0,3%, tendo a previsão de arrecadar R$ 32,3 bilhões.

Já o turismo online, que contempla 27,1% do total, cairá 4,0% em relação ao ano passado, com a expectativa de gerar R$ 16,9 bilhões frente aos R$ 17,6 bilhões de reais movimentados em 2015. 

Por fim, está o segmento de automóveis, que envolve transações de carros, motos e peças. Para a categoria, com participação de 21,2% no varejo online, estima-se uma queda de 6,4%. Falando em cifras, o volume cai de R$ 14,1 bilhões para R$ 13,2 bilhões.

“A retração está intimamente ligada com o encolhimento da economia, que impactou na confiança dos consumidores, na restrição de crédito e na inflação”, afirma Daniel Domeneghetti, CEO da E-Consulting.