Ivan De Pellegrin.

Uma missão gaúcha composta por representantes da Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (AGDI), Badesul, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Desenvolvimento está no Japão até o final de setembro visando atrair investimentos para o estado.

A comitiva se reunirá com mais de 10 empresas sediadas em Tóquio, além de entidades empresariais japonesas.

Serão realizadas agendas com foco nas indústrias automotiva e autopeças, naval, medicina avançada, tecnologia e polo espacial.

“Um dos objetivos desta missão é buscar o fortalecimento e a ampliação de investimentos japoneses já instalados no Rio Grande do Sul, especialmente nesses setores, que estão entre os 22 considerados estratégicos pela Política Industrial do Estado”, afirma o presidente da AGDI, Ivan De Pellegrin.

Estão na pauta empresas como Toyo Setal, sócia do Estaleiros do Brasil (EBR), Mitsui e Mitsubishi Heavy.

A AGDI tem promovido uma série de viagens com o objetivo de atrair investimentos na área de ciência e tecnologia.

A maior delas foi Israel, que recebeu uma delegação 70 políticos, empresários e representantes do governo em abril. Uma das empresas visitadas foi gigante de defesa Elbit, que lidera a construção do microsatélite gaúcho por meio da AEL Sistemas.

O projeto que ainda pende da aprovação da Finep e consiste em investimento federal de R$ 43 milhões. Na semana passada, representantes da AGDI, AEL, Unisinos e PUC-RS estiveram no Quebec, conhecendo a indústria aeroespacial canadense.

Outras missões, que não tiveram relação com a questão aeroespacial nos últimos meses, incluíram a China onde foram visitadas parques tecnológicos e incubadoras chineses e o Reino Unido, onde uma delegação gaúcha fez uma apresentação para investidores.