ONLINE

Wipro fez plataforma digital da Febraban

24/09/2019 11:19

Está no ar a primeira fase da Noomis, uma iniciativa de conteúdo dos bancos brasileiros.

Noomis quer ser a versão virtual do CIAB Febraban. Foto: Luiz Michelini/Divulgação

Tamanho da fonte: -A+A

A Febraban acaba de colocar no ar a primeira fase da Noomis, uma plataforma digital que deve aprofundar as discussões e os temas do CIAB, o grande evento anual da federação dos bancos brasileiros. O projeto está sendo desenvolvido pela Wipro.

A multinacional indiana fez o design, criou os fluxos de trabalho e um módulo editorial para gerenciamento da plataforma. A Noomis terá reportagens, blogs, vídeos e newsletters. Está previsto também a criação de um “espaço de networking”.

“A Noomis ️é a grande inovação tecnológica no setor financeiro do Brasil. Ajudará a reunir profissionais e companhias chave, oferecendo-lhes um lugar para interagir, aprender e colaborar durante todo o ano”, afirma Gustavo Fosse, diretor setorial de Tecnologia e Automação Bancária da Febraban e integrante do Conselho do CIAB.

Wipro, TCS e Mahindra, as grandes empresas de TI da Índia, chegaram ao brasil na primeira década dos anos 2000, sendo seguidos por uma leva de empresas menores do país na década seguinte.

As indianas, no entanto, não confirmaram a fama de bicho papão e tiveram uma atuação discreta nos primeiros anos. 

Os indianos não conseguiram repetir por aqui o sucesso da sua presença nos Estados Unidos, onde as companhias do país emplacaram grandes contratos de outsourcing usando como diferencial o baixo do custo da mão de obra na Índia.

De uns tempos para cá, as gigantes da Índia, inclusive a Wipro, tem se reposicionado, visando oferecer serviços para o país com profissionais brasileiros, baseados no país.

A Wipro inclusive adquiriu uma consultoria paulista, a InfoServer, em um negócio de R$ 27,6 milhões fechado no final de 2016.

Em entrevista com o Baguete em fevereiro de 2017, Ankur Prakash, vice-presidente para mercados emergentes da Wipro, revelou a meta de chegar a um faturamento de US$ 250 milhões até 2018.

Talvez mais interessante do que o projeto Noomis em si, que no final das contas é um portal de conteúdo (nada contra, o Baguete também é um) seja o fato da Febraban ter escolhido a Wipro para fazer o projeto.

Afinal, a decisão mostra o prestígio da Wipro junto da Febraban, que, por sua vez, representa bancos que gastam R$ 20 bilhões em TI por ano, sendo um dos segmentos da economia líderes em investimento na área.

A Stefanini, uma grande empresa brasileira com uma boa base de clientes entre os bancos brasileiros, pode sentir uma pontinha de inveja.

Veja também

ESTATAIS
Serpro: mercado privado e IPO

Presidente do Serpro anunciou planos ousados em entrevista à Reuters.

MERCADO
XP Investimentos fará IPO gigante

Ideia é se posicionar junto a fintechs lucrativas como Square, Shopify e MercadoLivre.

EDUCAÇÃO
PUCRS e Poatek oferecem bolsas de TI para mulheres

As inscrições estão abertas até o dia 22 de setembro.

CONCORRÊNCIA
Setúbal, do Itaú, angustiado com fintechs

Presidente do banco abriu o coração durante reunião com analistas e investidores.

SEGURANÇA
Banco Pan: o maior vazamento da história?

MP do DF investiga. Banco se defende dizendo que seus sistemas estão seguros.

FINTECH
Rebel levanta R$ 167 milhões

Processo foi feito via securitização de créditos financeiros.

PAGAMENTOS
Avec lança conta digital com Hub Fintech

 A plataforma da Hub Fintech é oferecida no modelo White Label.

VIRADA
Futurecom agrega cinco congressos paralelos

Organizadores apostam na diversificação, com conteúdo para pagamentos, governo e jurídico.

ANÁLISE
Big Tech quer dominar o dinheiro com Libra

Bitcoin queria substituir política por algoritmo. Agora o plano é bem outro. Uma análise em profundidade.

CONCORRÊNCIA
Itaú tem transferência rápida para exterior

Mais um banco teve que se mexer em meio à competição das fintechs.

STARTUP
BTG Pactual adquire controle da Resale

Na transação, o banco assumiu 65% do capital da startup.