Estudos são relacionados à segurança alimentar e à biologia sintética. Foto: flickr.com/photos/danielamedeira.

A Agilent Technologies Brasil e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) divulgaram apoio a projetos de pesquisa na USP e Unicamp relacionadas à segurança alimentar e à biologia sintética. 

A seleção foi resultado da Chamada de Propostas de Pesquisa (CPP) divulgada em março desse ano e conta com recurso de R$ 1,6 milhão para atender às propostas. 

Os projetos escolhidos são coordenados pelos pesquisadores Aparecida Maria Fontes, do departamento de Genética da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP, e Felix Guillermo Reyes, da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp.

O estudo do grupo da professora Aparecida irá produzir o primeiro biofármaco brasileiro para reposição da enzima beta-glicosidase, responsável pela digestão de lipídeos acumulados na membrana das células. 

A enzima é ausente ou inativa em pacientes portadores da doença de Gaucher, que compromete o funcionamento de órgãos como a medula óssea, o fígado e o baço, além do sistema nervoso central.

Na Unicamp, a equipe pesquisa questões voltadas ao avanço da piscicultura no Brasil. Dessa forma, buscam desenvolvimento e validação de métodos para verificar a presença de fármacos utilizados no tratamento preventivo de doenças em peixes criados em cativeiro para consumo humano. 

O projeto visa estudar em espécies de peixes exóticas e nativas os medicamentos antimicrobianos atualmente em uso no país. Em outra etapa, serão investigados novos fármacos mais eficientes, em parceria com a Embrapa e o Centro de Aquicultura da Universidade Estadual Paulista (Caunesp). Há previsão de registro de patentes desses produtos.

As propostas serão desenvolvidas em até 36 meses.

Dois outros projetos apoiados pelo acordo estão em desenvolvimento desde julho de 2012 no Instituto de Biologia da Unicamp e na Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP, nas áreas de Botânica/Fisiologia Vegetal e Química Orgânica. 

A Agilent é uma empresa californiana com 18,7 mil funcionários especializada em automação e medição para as áreas de análises químicas, biociências, eletrônica, comunicações e outras. 

Com presença em mais de 100 países e faturamento de aproximadamente US$ 6 bilhões em 2011, a companhia abriu o centro de excelência em São Paulo no ano passado em uma área de 750 metros quadrados, com foco em soluções de instrumentação analítica e bioanalítica.