Meg Whitman de olho nas impressoras 3D. Foto: divulgação.

A HP quer fazer o seu nome no mercado de impressões 3D, e pretende lançar seu primeiro equipamento do tipo na metade de 2014.

Quem afirma é a CEO da companhia, Meg Whitman, que garantiu que o produto será mais veloz e barato que outros modelos no mercado. A informação é do site ZDNet.

De acordo com a executiva, incluir produtos com esta tecnologia no portfólio é um passo natural para marca, dada a tradição da empresa na área de impressão.

Para a companhia, investir no mercado de impressão 3D pode ser o impulso para revitalizar sua divisão de impressoras, que registrou em 2012 uma queda de 5% em renda. Em 2013, os resultados também não foram animadores, com sucessivas quedas em faturamento.

Segundo a executiva, o plano é liderar o mercado e os laboratórios da empresa estão trabalhando nisso. Ela afirma que pode fazer mais e melhor que os produtos disponíveis atualmente.

"As impressoras 3D atuais ainda são caras e lentas demais. A impressão de uma garrafa pode demorar de oito a dez horas. Tudo isso é muito interessante. Mas é como ficar olhando o gelo derreter”, disparou.

A razão para a animação de Whitman tem procedência. Segundo dados do Gartner, o mercado global de impressão 3D deve faturar US$ 412 milhões em 2013. Para 2014, deve subir para US$ 669 milhões, um aumento de 62%.

Embora o plano da multinacional já esteja em movimento, Whitman enxerga o negócio como algo lucrativo a médio e longo prazo, e não espera que a impressão em 3D se torne um produto de massa imediatamente, mesmo com a difusão de equipamentos compactos e baratos.

Em sua visão, a adoção em massa da impressão 3D ainda deve demorar mais três anos. Por isso, os primeiros modelos da HP devem ser dirigidos a prestadores de serviços.