Diretor do Grupo de Software e Serviços na América Latina, Nuno Simões. Foto: flickr.com/photos/intelbrasil.

A Intel anunciou, durante o Intel Software Day, o programa para implantação de laboratórios de pesquisa e desenvolvimento de software com universidades brasileiras. As duas primeiras instituições são o Centro Universitário Senac, de São Paulo, e o Senai-BA.

Os laboratórios terão ferramentas para a criação e teste de aplicações para plataformas móveis. 

Terão acesso alunos de graduação e pós-graduação em ciência e engenharia da computação e em TI das instituições envolvidas. Além disso, os universitários receberão treinamentos específicos para os processos na plataforma Android e equipados com Intel.

A iniciativa faz parte do plano de incentivo à inovação anunciado no início do ano, em parceria com o MCTI. A previsão é de um investimento de R$ 300 milhões em P&D no Brasil em cinco anos. 

“A instalação de laboratórios em centros de excelência na produção de software busca preparar os jovens profissionais para atender as demandas do mercado em um dos segmentos que mais cresce dentro da indústria global de software”, explica Nuno Simões, diretor do Grupo de Software e Serviços na América Latina.

A demanda por software para dispositivos móveis é especialmente sentida no ambiente corporativo.

Pesquisa realizada pelo IDC sobre mobilidade corporativa indica que 38% das empresas brasileiras utilizam a política de os funcionários trazerem seus próprios smartphones para uso corporativo.

Conforme o estudo, 19% das empresas com mais de 250 colaboradores utilizam algum tipo de aplicação móvel. Em instituições com menos funcionários, esse índice cai para 12%. 

“Haverá forte demanda por aplicações corporativas de mobilidade no Brasil e no mundo, alavancada pela forte escalada dos tablets e smartphones dentro do ambiente empresarial”, completou Simões.