Florianópolis é a capital mais empreendedora do país segundo um estudo da Endeavor. Foto: Daniel Wiedemann/Shutterstock.com

Florianópolis é a capital mais empreendedora do país segundo um estudo realizado pela Endeavor. A empresa analisou as 14 capitais que possuem regiões metropolitanas com mais de 1% das empresas de alto crescimento do Brasil.

No Brasil, existem quase 5 milhões de empresas, mas apenas 35 mil são classificadas como de alto crescimento, sendo responsáveis por quase metade da criação de empregos no país. 

O 2º lugar do ranking ficou com São Paulo, que é seguida por Vitória e Curitiba.

A 5ª posição é de Brasília, a 6ª é de Belo Horizonte e a 7ª, de Porto Alegre.

Goiânia ficou com a 8ª posição, seguida por Rio de Janeiro, Manaus e Belém.

O 12º lugar pertence ao Recife, enquanto Fortaleza ficou com o 13º e Salvador, com o 14º.

Os indicadores analisados foram infraestrutura, capital humano, inovação, ambiente regulatório, mercado, acesso a capital e cultura. A capital catarinense se destacou principalmente nos três primeiros.

Dados divulgados pela prefeitura da cidade em 2012 apontam que o faturamento das 600 empresas de base tecnológica existentes em Florianópolis alcançava R$ 1 bilhão. 

No mesmo ano, elas foram responsáveis por 6 mil empregos diretos, de acordo com o Ministério do Trabalho e Emprego. 

Em infraestrutura, a capital catarinense se sobressai pela fácil mobilidade, boa segurança e custos de imóveis e energia elétrica abaixo da média. 

Entre as cidades estudadas, é também a que tem a população mais ligada à internet, com quase 80% das pessoas conectadas.

O pilar capital humano considera o acesso e qualidade de mão de obra básica e qualificada. 

Em Florianópolis, 85% da população têm ao menos nível de ensino básico. A única capital que se aproxima deste índice é Vitória, com 82%. Nas outras 12 cidades a média fica em 74%. 

Ao analisar o ensino superior, é constatado que 33% dos florianopolitanos estudaram em universidades, sendo que 60% destes frequentaram aulas em instituições com notas 4 e 5 no Enade. 

Já no critério inovação, a boa posição da cidade catarinense se deve ao fato que de 1 em cada 28 mestres e doutores nas áreas de tecnologia da cidade trabalham nas empresas locais, mais do que o dobro da média das outras capitais. Profissionais de ciência e tecnologia representam quase 7% de todo o contingente de trabalhadores. 

Apesar das boas projeções, o estudo relaciona pontos que precisam ser debatidos para continuar a desenvolver o setor na cidade. 

Florianópolis tem um alto potencial de consumo, mas o mercado é restrito, com o menor PIB das 14 capitais analisadas. Hoje empreendedores que queiram criar grandes negócios provavelmente terão que expandir as empresas para além dos limites da capital catarinense. 

Outro desafio proposto pela pesquisa é agilizar os procedimentos necessários para abrir empresas, que atualmente a exige quase três meses.

Analisando separadamente cada quesito da pesquisa, é possível ver os pontos fortes de cada capital.

Goiânia lidera a categoria “ambiente regulatório”, o que indica que a cidade é mais rápida para resolver os processos de abertura de negócios, aprovação de obras, obtenção de registros e outros, além de possuir taxas de impostos abaixo da média.

No quesito infraestrutura, Curitiba é a líder. A categoria analisa estradas, número de voos, preço do metro quadrado imobiliário e outros itens. 

Segundo o estudo, Curitiba “possui um dos melhores índices de mobilidade urbana, segurança e acesso à internet. Possui uma boa conexão com as outras cidades do Paraná por meio de estradas e é favorecida pela proximidade com o Porto de Paranaguá, um dos melhores do país, situado a menos de 80 quilômetros da capital”.

São Paulo é a campeã no pilar que aborda o mercado, em que é avaliado o PIB, o gasto público por empresa e a renda per capta.

“A cidade de São Paulo tem o 10º maior PIB do mundo, quase meio trilhão de reais, e representa sozinha mais de um décimo de toda a produção do Brasil, o que já seria quase suficiente para garantir à capital paulista o primeiro lugar no índice de mercado”, afirma a Endeavor.

A capital paulista também lidera a categoria “acesso a capital”, que analisa operações de crédito em relação ao PIB e acesso a capital de risco, e a categoria “inovação”, que avalia a intensidade de investimentos em ciência e tecnologia e o potencial de geração de ideias.

A campeã geral do ranking, Florianópolis, lidera o quesito “capital humano”. Na categoria “cultura”, a líder da lista é Manaus.