HCPA usa Google Glass em cirurgia. Foto: divulgação.

O Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), através de seu projeto HCPA Conecta, testou o Glass, óculos de realidade aumentada do Google, para avaliar possibilidades de seu uso nas atividades da instituição.

O piloto foi realizado do dia 26 de outubro a 19 de novembro, acompanhando uma cirurgia e um raio x móvel (aparelho que é levado até a beira do leito para a realização de exames). Com os óculos, foram feitos registros fotográfico e em vídeo dos procedimentos, com transmissão ao vivo via streaming.

O HCPA realizou o experimento com o apoio da integradora portoalegrense Ilegra, que também é a responsável pela migração das contas do hospital público para o Google Apps for Education.

A instituição pública universitária, ligada ao Ministério da Educação e com vínculo acadêmico com a Ufrgs, migrou em junho 8 mil contas para Google Apps for Education, em um contrato de R$ 191,5 mil com a Ilegra.

Segundo destacou Maria Luiza Malvezzi, coordenadora do projeto HCPA Conecta, o teste com o Google Glass é uma continuação do que foi iniciado com a migração das contas de e-mail do hospital para a plataforma Google.

"O HCPA Conecta tem como base a transformação do ambiente hospitalar, usando as ferramentas do Google para isso. O piloto teve como finalidade verificar o quanto o Glass pode melhorar e otimizar o dia a dia da instituição. Esta é a primeira vez que o gadget é utilizado em um hospital público no país", afirmou Malvezzi.

De acordo com a coordenadora, como o Clínicas é um hospital universitário, essa função é muito atrativa para o treinamento de estudantes e residentes em cirurgia.

"Futuras potencialidades para o gadget que podem ser exploradas nesta especialidade, são a consulta de exames do paciente em tempo real durante o procedimento, a integração com o prontuário do paciente para armazenamento de imagens e a utilização de realidade aumentada para o planejamento e realização de cirurgias", afirmou.

Para o próximo ano, o HCPA pretende realizar workshops para familiarizar os profissionais do hospital com novas tecnologias como o Glass, assim como analisar quais as melhores formas e focos onde as tecnologias podem ser implementadas.

"Foi um projeto pequeno este que fizemos inicialmente com o Glass, mas percebemos que o potencial de aplicabilidade é grande, com resultados positivos. Vamos seguir nesta direção", finalizou Malvezzi.

GLASS NA SAÚDE

À medida que o futuro do Google Glass como um produto de adoção em massa fica cada vez mais obscuro, o aparelho passa a ganhar tração como uma ferramenta complementar a diversos segmentos de trabalho, como por exemplo da saúde.

Segundo o Dr. Babak Parviz, ex-diretor do Google X, divisão da companhia norte-americana dedicada a projetos de inovação, tais como o Glass, um dos setores onde mais aparecem soluções interessantes para o Glass é o de saúde.

"Em cirurgias, ele pode ser usado como uma ferramenta para educação médica. O doutor pode transmitir um ponto de vista em primeira pessoa para os estudantes. Mesmo se você está ao lado do doutor em uma cirurgia, é difícil entender o processo", explicou Parviz.

Além disso, outras empresas ligadas ao segmento de saúde desenvolveram outras aplicações, como um sistema de registros visuais e em áudio que pode futuramente eliminar a necessidade de papéis e documentação da prática médica.