Ricardo Lenzi, um dos diretores da LZT.

Colocar na ponta dos dedos dos donos de combustíveis a movimentação dos seus negócios é a aposta da catarinense LZT para crescer até 45% este ano sobre o faturamento médio de R$ 15 milhões registrado em 2012.

O app criado pela empresa de Blumenau para tablets e smartphones permite visualizar dados como o volume de litros de combustível vendido, o consumo das lojas de conveniência, movimentações de troca de óleo, controle de estoque, margens de lucro, entre outros itens fundamentais para a gestão das redes.

“É uma ferramenta para o dono e não para o gerente, do posto. Ele pode gerir o que pagar, ver os dados de vendas e administrar ações, de onde quer que esteja”, comenta um dos diretores da LZT, Ricardo Lenzi.

Recém lançado, o aplicativo já é utilizado por cerca de um terço dos mais de três mil clientes da empresa de Blumenau, que atende a nomes como Rede VIP, Graal, Buffon e Rota 80.

Um detalhe: só pode aderir ao aplicativo quem for cliente do software da LZT, que é um ERP para a vertical de postos de combustível.

“Nosso software atende à toda a parte de backoffice, mais frente de caixa, parte fiscal, e tem camada de CRM, que traz funcionalidades inclusive para os clientes dos postos”, comenta Lenzi.

Uma destes recursos é a possibilidade de acompanhamento online, via portal, por clientes corporativos que tenham convênios com as redes de postos, do consumo feito por seus colaboradores a cada mês.

FEITO POR QUEM SABE
A aposta na plataforma móvel do software é uma resposta à uma demanda que veio não só de fora, como também de dentro da LZT: depois de atuar por mais de dez anos em TI para a vertical, Lenzi comprou seu próprio posto de combustível em 2012.

E passou a sentir na pele as dores dos proprietários destes estabelecimentos.

“É preciso acompanhar tudo a qualquer hora, de qualquer lugar. É um setor de guerra de preços, e isso exige atenção e monitoramento contínuo. Criamos o aplicativo para melhorar a vida dos proprietários”, salienta Lenzi.

COMPRA
Com matriz em Blumenau, a LZT tem representantes em todo o país, somando 110 colaboradores diretos e cerca de 300 indiretos, em canais espalhados por todo o país.

A estratégia de crescimento da companhia passa também pelo inorgânico: em 2011, adquiriu por um valor não revelado a Gerpos, do Espírito Santo.

“Só com esta compra agregamos cerca de 300 clientes à carteira”, relembra o diretor.

MINA DE PETRÓLEO
O investimento mira um setor que promete: conforme dados da Fecombustíveis (Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes), o faturamento dos postos no Brasil subiu 11,5% em 2011 em relação a 2010, somando R$ 223,1 bilhões.

Já a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) indica que ao final de 2011 havia 39.027 postos de combustíveis operando no país.

Um mercado em aberto para a LZT, que, atualmente, atende a redes que concentram entre 20 e 60 postos, mas pode partir para os maiores sem qualquer problema, garante Lenzi.

“Nosso software e nosso aplicativo móvel podem ser utilizados para gestão de qualquer rede. Quanto maior, mais necessário”, finaliza.