Em breve, no seu tablet ou smartphone. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Receita Federal, atenta à crescente popularidade dos dispositivos móveis, está estudando a possibilidade de disponibilizar seus softwares de declaração de renda em versões para tablets e smartphones.

Recentemente a secretaria apresentou seu aplicativo Pessoa Física, disponível para Android e iOS, que permite o cálculo prévio do Imposto de Renda, segundo destaca o Valor.

Além disso o app permite a consulta e emissão de Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf) de impostos atrasados desde 2006 e verificação da restituição.

"Vamos investir cada vez mais em serviços móveis", afirma a coordenadora geral de tecnologia da informação da Receita, Claudia Maria de Andrade.

Segundo a executiva da Receita, a tarefa de levar as declarações de imposto de renda aos dispositivos móveis envolve questões de segurança e um processo gradativo de avaliação, inclusive por grupos de usuários.

"O desenvolvimento da aplicação tem de ter massa de teste muito grande", diz a executiva.

O Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) já trabalha no planejamento da solução tecnológia propriamente dita, já trabalhando com tecnologias de suporte à mobilidade como virtualização e computação em nuvem.

Para Marcos Mazoni, diretor-presidente do Serpro, a mobilidade é "produto natural em qualquer novo desenvolvimento". Para 2012, a instituição já prepara a oferta de serviços pela cloud privada do governo federal.

Em relação à segurança, um quesito essencial para o caso das entregas de declarações, uma equipe do Serpro acompanha minuto a minuto os padrões de entrega das declarações para verificar e evitar ataques, cujas tentativas crescem bastante no período de declaração.

A Receita e o Serpro investiram R$ 8 milhões na compra de softwares específicos para gestão e sistemas de segurança de acesso às informações da Receita.

"Monitoramos 100% das entregas", destaca Mazoni. Em 2013, por exemplo, são esperadas mais de 26 milhões de declarações entregues via internet. O prazo vai até 30 de abril.