Companhia espera faturar US$ 88 bi na área até 2017. Foto: Divulgação.

A Cisco informou nessa segunda-feira, 24, que investirá US$ 1 bilhão para ampliar sua área de nuvem híbrida de padrão aberto, a partir da solução OpenStack. Assim, irá oferecer serviços em nuvem para atender a demanda de Internet das Coisas nos próximos dois anos. 

“Essa será uma nuvem construída para a Internet das Coisas, capaz de alcançar bilhões de conexões, e trilhões de eventos, suportados por dados analíticos em tempo real para ajudar os clientes a ter os insights que eles precisam para as conexões com pessoas, processos, dados e coisas, conforme acontecerem”, declarou Robert Lloyd, presidente de Desenvolvimento e Vendas, durante o Partnet Summit Conference, em Las Vegas.

Dessa forma, a empresa espera que seus negócios na área pulem do US$ 22 bilhões, registrados em 2013, para US$ 88 bilhões até 2017.

“Nossa nuvem será a primeira totalmente aberta e híbrida. Planejamos suportar qualquer fluxo de trabalho, hipervisão e interoperabilidade com qualquer nuvem”, conta o gestor. 

Para ele, “essa será uma nuvem como nenhuma outra”. 

O executivo garante que a cloud privada trouxe resultados positivos para as equipes de TI. O tempo de provisão da computação, de storage e de rede reduziu de seis a oito semanas para 15 minutos depois da CIO da organização, Rebecca Jacobby, ter estabelecido a solução Cities.

“Virtualizando mais de 92% dos nossos ambientes de data center também reduzimos o custo total de propriedade (TCO, em inglês) e do nosso ambiente de TI em mais de 62%”, destacou Lloyd.

Como parte dessa estratégia, a Cisco pretende contar com novas alianças e iniciou com a Telstra, provedor de serviços da Austrália. 

Enquanto a Cisco será responsável pela infraestrutura em nuvem, o provedor oferecerá aos clientes os serviços cloud também da Cisco.

“A Telstra é o primeiro de muitos parceiros dessa jornada: Allstream, Ingram Micro, Logicallis Group, OnX Managed Services e Wipro também anunciaram suporte para o Intercloud”, frisou.