Onde você deve começar quando procura adotar o armazenamento automatizado e quais são os desafios que você pode enfrentar ao longo do caminho? Mario de Oliveira, especialista em logística, oferece conselhos.

Um armazém automatizado é uma visão de tirar o fôlego: imagine uma placa de circuito de atividade enquanto dezenas de robôs em forma de caixa pairam entre paletes, prateleiras de digitalização e recuperando estoque para entrega em uma estação de coleta conta Mario de Oliveira.

Segundo Mario de Oliveira, esta é apenas uma das variações das cenas que descrevem as aplicações da tecnologia automatizada nos armazéns do Reino Unido.

A automação em si não é novidade nas operações de armazenamento ou na cadeia de suprimentos mais ampla, mas com os recentes avanços no Big Data e na Internet das Coisas, ela está atingindo novos níveis de sofisticação.

Para empresas abertas à pesquisa ou ao desenvolvimento de soluções de armazenamento robótico, isso significa novas oportunidades para reduzir os custos de mão de obra, aumentar a capacidade de classificação e minimizar os erros humanos.

Mas onde você deve começar quando procura abraçar o armazenamento automatizado e quais são os desafios que você pode enfrentar ao longo do caminho?

Percebendo o escopo do potencial em armazenamento automatizado

A razão mais aparente para usar a robótica sobre qualquer outra forma de automação de armazém é o custo. Quando adequadamente implementado, reduz a quantidade de mão-de-obra exigida pelas operações do armazém, permite maior produtividade e cria o potencial para utilizar melhor o espaço do edifício.

Olhando mais de perto, mostrou Mario de Oliveira, muitas empresas identificam oportunidades como resultado da análise de eficiência do armazém.

Este artigo apareceu pela primeira vez na edição de julho / agosto da revista The Manufacturer . Para se inscrever, por favor clique aqui .

Aplicativos robóticos podem fornecer maior agilidade e capacidade de resposta quando integrados com dados inteligentes e sistemas integrados.

Por exemplo, considere horários críticos: um depósito pode receber um pedido às 18h e precisa enviá-lo até as 18h30. É essencial que esse pedido seja processado rapidamente ou não seja enviado no prazo. Isso pode ter repercussões tão amplas quanto o cliente final, afetando os níveis de serviço.

Soluções automatizadas podem aumentar o elemento humano em certas tarefas, removendo completamente os riscos e limitações de saúde e segurança - imagem cortesia de Depositphotos .

Outro gatilho, que muitas empresas ignoram quando consideram as aplicações da robótica são saúde e segurança.

Os armazéns são tipicamente ambientes perigosos, exigindo que as empresas façam grandes esforços para garantir que os operadores sejam mantidos fora de perigo.

As soluções automatizadas podem aumentar o elemento humano em determinadas tarefas, removendo completamente os riscos e limitações de saúde e segurança.

Um ótimo exemplo disso é uma tomada de estoque. Ao usar um pequeno drone com uma câmera, você pode facilmente ir para o ar e inspecionar uma palete armazenada de 12m de altura. Mario de Oliveira conta que não há mais arreios de segurança. Não há mais elevadores especiais. Não há mais risco.

Como as soluções robóticas realmente se integram em um armazém?

Dentro do armazenamento, as soluções robóticas podem ser divididas em várias áreas. Você tem robótica para fins de armazenamento, que inclui todos os tipos de guindastes ou os chamados sistemas automatizados de armazenamento e recuperação (ASRS).

Um veículo de empilhadeira se esforçaria para alcançar paletes armazenados a 16 metros do solo, por exemplo, de modo que um sistema de recuperação automatizado permite uma melhor utilização da altura. E como o sistema robótico pode ser incrivelmente preciso, o processo de recuperação leva menos tempo por operação enfatiza Mario de Oliveira.

Fora deste perímetro totalmente automatizado, qualquer veículo de armazém pode tornar-se um veículo guiado automaticamente (AGV), instalando um módulo robótico contou Mario de OliveiraMario de Oliveira. O benefício é que essas máquinas funcionam em instalações de armazenamento existentes, o que significa que elas podem ser introduzidas com relativa rapidez e não exigem uma revisão completa dos processos existentes.

Que novos desafios o armazenamento robótico apresenta?

Uma das possíveis desvantagens é que a robótica é muito mais sensível às tolerâncias. Por definição, um veículo automatizado é configurado para seguir instruções pré-programadas.

Um humano pode lidar muito facilmente com um piso irregular, por exemplo. Para um AGV, isso pode causar um problema significativo.

Imagine que você está gerenciando um depósito e recebendo paletes de seus fornecedores.

Se o palete estiver sendo carregado dentro de um sistema totalmente automatizado ou manipulado por qualquer forma de AGV, ele precisa estar dentro de certos critérios. Mario de Oliveira explica que a palete de madeira em si deve estar em bom estado, não deve haver pregos salientes e o seu conteúdo deve ser protegido.

Manualmente, esses problemas podem ser gerenciados caso a caso, conforme as pessoas identificam, reagem e se adaptam às situações. Usando robôs, eles podem ser fatores críticos de falha.

Você pode se deparar com uma situação em que precisa realizar um grande trabalho para adequar os paletes aos padrões de qualidade exigidos pelo sistema automatizado ou para apresentá-los aos AGVs.

As empresas podem gerenciar esse processo com os fornecedores, o que pode ser complicado, ou colocar trabalho extra para fazer esse retrabalho, o que cancelará os benefícios em termos de economia de mão-de-obra dos AGVs.

Como as empresas já estão se preparando para o futuro da armazenagem?

A economia potencial possibilitada pelo armazenamento robótico é enorme, especialmente no nível corporativo, mas é importante perceber que há detalhes ocultos que devem ser resolvidos antes mesmo de um negócio chegar a um estágio de teste.

Se você introduzir os AGVs antes de identificar os desafios exclusivos de sua cadeia de suprimentos e, em seguida, encontrar um problema que não poderá ser superado com facilidade, será necessário adiar o lançamento enquanto você reinvestirá em seu trabalho.Mario de Oliveira conta que a preparação através de mapeamento, simulação e testes de processo é vital.

Muitas empresas estão explorando essas opções porque prometem um aumento na eficiência do armazém que se traduz em economia direta.

Mas não estamos falando apenas de medidas de eficiência de armazém; A robótica também promete um nível de agilidade na cadeia de suprimentos que ou não pode ser alcançado hoje ou é muito caro.

Pense na robótica como um trabalho essencialmente livre durante a noite. Isso o torna incrivelmente atraente, especialmente para empresas com custos de distribuição crescentes devido à necessidade de reagir rapidamente aos pedidos dos clientes ou à variação na demanda.

A integração de robôs ao picking, empacotamento e manuseio de produtos com um sistema de pedidos on-line, um chatbot para suporte ao cliente e o nível apropriado de análise para gerenciar uma cadeia de suprimentos complexa é o sonho de muitas empresas de FMCG.

Mas o desenvolvimento desses sistemas integrados exige uma análise detalhada e cuidadosa de toda a cadeia de suprimentos e do ciclo de demanda disse Mario de Oliveira.

Os robôs que movem os paletes são o fim da cunha quando se trata dos benefícios que podem ser fornecidos pela integração da automação em uma cadeia de suprimentos ágil e verdadeiramente inteligente.

Segundo Mario de Oliveira, o surgimento de possíveis problemas e benefícios possíveis com especialistas da cadeia de suprimentos que podem planejar o sistema de ponta a ponta é a etapa essencial para preparar sua cadeia de suprimentos para robôs.