As despesas mundiais com TI ficarão em US$ 3,41 trilhões em 2016. Foto: Pexels.

O Gartner aponta que as despesas mundiais com TI ficarão estáveis em 2016, totalizando US$ 3,41 trilhões. O aumento diante do 0,5% negativo do último trimestre é causado principalmente pelas variações cambiais. Em 2015, o valor ficou em US$ 3,52 trilhões.

“A atual previsão de despesas do Gartner supunha que o Reino Unido não deixaria a União Europeia. Com a saída, provavelmente haverá uma erosão na confiança de negócios e um aumento dos preços que impactarão nas despesas de TI no Reino Unido, na Europa Ocidental e no mundo”, afirma John-David Lovelock, vice-presidente de pesquisa do Gartner.

O processo de mudança do Reino Unido deve demorar a ser concluído. A decisão de sair da União Europeia afetará rapidamente as despesas com TI no Reino Unido e na Europa, enquanto outras transformações levarão mais tempo. A mão de obra pode ser o problema imediato mais amplo. 

A incerteza em longo prazo no mercado de trabalho tornará o Reino Unido menos atraente para novos trabalhadores estrangeiros. A retenção dos atuais trabalhadores de fora do país e o menor acesso a novos qualificados profissionais de outros países prejudicarão os Departamentos de TI no Reino Unido.        

"O ano de 2016 marcou o início de uma dicotomia surpreendente. O ritmo de mudanças em TI nunca mais será tão lento quanto atualmente, mas o crescimento global das despesas em TI é mais bem descrito como sem brilho. Este é o ano em que o foco direciona-se para os negócios digitais, à internet das coisas e até mesmo para os negócios algorítmicos”, afirma Lovelock.

Ele explica que, para sustentar essas novas iniciativas, muitas empresas estão voltando seus esforços para a otimização de custos com alternativas digitais - software as a service em vez de licenças de software, serviços de LTE em vez de celulares e assistentes pessoais digitais em vez de pessoas.

A área que terá maior crescimento nos investimentos em 2016, com alta de 5,8%, é a de software. Os gastos com serviços de TI subirão 3,7%, enquanto os com sistemas para data center terão crescimento de 2%.

Os resultados negativos ficam nas áreas de dispositivos, com queda de 5,3%, e serviços de comunicação, baixa de 1,4%.

A alta nos gastos globais com software, que deve alcançar US$ 332 bilhões neste ano, tem a América do Norte como principal impulsionadora. Ela é responsável por US$ 11,6 bilhões dos US$ 24 bilhões de aumento em 2016. 

Já a alta de 2% com despesas com os sistemas de data center é impulsionada por um crescimento forte nas regiões da Grande China e Europa Ocidental e por um ciclo de atualização no mercado de equipamentos de rede de empresas norte-americanas.

A projeção de queda para despesas com dispositivos é afetada questões econômicas relacionadas à Rússia, Japão e Brasil, que  atrasarão a demanda e a recuperação do mercado mundial de PCs neste ano. 

Além disso, as atualizações do Windows 10 levaram a um atraso na compra de computadores: os consumidores desejam usar seus PCs antigos por mais tempo, já que estão atualizados com Windows 10.

É esperado que as despesas no mercado de serviços de TI aumentem em 3,7%, totalizando US$ 898 bilhões. O Japão é a região com crescimento mais rápido em despesas com serviços de TI, com 8,9% de crescimento. 

Já as despesas com serviços de comunicação devem alcançar um total de US$ 1,38 trilhão em 2016, uma redução de 1,4% com relação a 2015. O Japão lidera o crescimento nesse segmento, com 8,3% de elevação, enquanto a Grande China acrescenta a maior quantia de dólares na despesa, com mais de US$ 8,3 bilhões.