Mega lojas sofreram uma queda de 0,3% nas vendas. Foto: jessicakirsh/Shutterstock.com

Os super centros de compras do Wal-Mart estão apresentando dificuldades. Os consumidores estão escolhendo lojas de conveniência ou segmentadas ao invés dos grandes centros.

Segundo o Business Insider, as mega lojas do gigante de varejo sofreram uma queda de 0,3% nas vendas do segundo trimestre em comparação com o ano passado. Durante o mesmo período, o tráfego nas lojas americanas do Wal-Mart caiu 1,1%.

Ao mesmo tempo, as lojas de formato menor do Wal-Mart, ou mercados de bairro, geraram aumento de 5,6% nas vendas e tiveram tráfego 4,1% maior. 

Os mercados de bairro tem cerca de um quinto do tamanho dos hipermercados Wal-Mart e eles estão localizados em centros urbanos (onde os rendimentos tendem a ser maiores) enquanto hipermercados estão normalmente localizados na periferia da cidade. 

As lojas menores são dedicadas às três categorias mais fortes do Wal-Mart: mercearia, farmácia e combustível. 

A categoria de mercearia responde por 56% das vendas do Wal-Mart.

Em média, os consumidores fazem compras em cinco diferentes tipos de lojas para atender suas necessidades de compras, de acordo com o relatório American Pantry de 2013 da Deloitte. 

Em vez de depender de uma única varejista para conseguri o melhor valor e variedade, "os consumidores parecem mais focados em uma combinação de valor e conveniência", dizem os analistas do Goldman Sachs, em uma pesquisa sobre o lento declínio de grandes varejistas como Wal-Mart e Target. 

O surgimento de varejistas online como a Amazon tornou possível para os consumidores fazer compras e comparar preços com alguns cliques. Agora que um número crescente de varejistas está oferecendo frete grátis e rápido, há ainda menos razões para intensificar a corrida dentro de uma loja física. 

Em resposta a estas tendências, o Wal-Mart está se expandindo rapidamente o número de mercado de bairro da marca. Mas a sua frota de 400 ainda é muito pequena para compensar as vendas fracas em seus 3,3 mil hipermercados. 

Isso não significa que o Wal-Mart vai começar a fechar seus hipermercados. 

"Super centros ainda tem um dos mais altos retornos de qualquer formato de loja na empresa. Seria tolo fechar um monte de lojas com bons retornos", disse o CFO do Wal-Mart, Charles Holley.