AVG descobriu o Brasil. Foto: Jcomp / Shutterstock

A AVG Technologies, fabricante norte-americana de softwares de segurança famosa pelo seu antivírus gratuito AVG, anunciou que está em processo de aquisição da Winco, distribuidora exclusiva de suas soluções no Brasil há 11 anos.

A decisão da multinacional foi feita com base na importância do mercado brasileiro para a companhia. Segundo divulgado em nota, a AVG destacou que o Brasil é um mercado-chave.

Na prática, porém, não é bem assim. A aquisição fez parte de um movimento da AVG para adquirir todos os seus cinco distribuidores regionais. A representante da marca no Reino Unido foi a primeira e a Winco foi a última. 

“A ideia é apoiar e impulsionar a entrada de novos produtos, tanto para o consumidor final quanto para o crescente mercado de soluções para pequenas e médias empresas”, destacou a empresa em nota.

O plano também é qualificar o atendimento e suporte aos consumidores brasileiros, ampliando a rede de parceiros da AVG na região e facilitando a entrada do portfólio de produtos voltados para o mercado PME. 

Além disso, através da operação local brasileira, o plano é ganhar clientes em outros países da América Latina.

Com atuação em todo o país, a Winco tem cerca de 1,2 mil pontos de venda no país. A sede da empresa, com 30 funcionários, fica em São Paulo. O quadro de funcionários e a diretoria da empresa não serão mexidos no momento.

Entretanto, com a aquisição a companhia deve ser dividida em duas, uma que será dedicada à AVG e outra que venderá produtos próprios, como a solução de acesso à web Winconnection.

Segundo Mike Foreman, gerente geral da área de pequenos e médios negócios da AVG, a empresa conta com uma grande rede de parceiros em escala global, e o Brasil entra nesta lista, com um grande potencial de crescimento em serviços mobile e de nuvem.

“Este modelo de aquisição de parceiros tem funcionado bem em outros mercados e estamos ansiosos para trabalhar mais estreitamente com a rede de parceiros brasileiros", afirmou Foreman.

Com um marketshare global de 9%, maior que o empresas como as gigantes Symantec (8%), Kaspersky (5,5%) e McAfee (3,5%) no market share de usuários de antivírus, a AVG ainda está bem atrás na parte de faturamento.

Em 2013, o faturamento da empresa ficou na casa dos US$ 400 milhões, enquanto rivais como Symantec e McAfee faturaram US$ 6,67 bilhões e US$ 2 bilhões, respectivamente.

Os concorrentes são maiores, mas a AVG está pegando eles num momento de transição no Brasil, o que pode representar uma oportunidade de crescimento.

A Symantec, por exemplo, demitiu toda a alta gestão no país nos últimos meses, em meio a um realinhamento mundial do negócio.

O novo country manager da empresa, o ex-Nextel Sérgio Chaia, mexeu a fundo no time de vendas como um todo, renovando 60% da equipe com 30 profissionais oriundos de companhias como IBM, EMC, Dell e Telefônica.

Eles são liderados por um time novo, com Lucia Bulhões, ex-Dell, à frente do comercial, e Alejandro Raposo, outro ex-Nextel, à frente do Brasil com Chaia no cargo de vice presidente e diretor geral da Symantec Brasil e América Latina.

Enquanto isso, a McAfee também trocou de comando no país. Marcia Nakahara, ex-diretora de vendas para grandes contas em São Paulo da Symantec, assumiu a empresa no país.