Eram os deuses astronautas? Foto: San Diego Air and Space Museum Archive

Competições do tipo hackathon proliferam pelo país. Enquanto muitas delas já encontram dificuldades para atrair suficientes candidatos, Cesar School, braço de educação do CESAR, centro de inovação com sede em Recife, pode comemorar o contrário.

Ao todo, 1,2 mil pessoas se inscreveram para disputar uma das 85 vagas no NASA Space Apps Challenge, uma competição com a grife da agência espacial americana que acontece de 18 a 20 de outubro. 

É a primeira vez que a capital pernambucana participa da competição internacional, realizada simultaneamente em várias cidades do mundo. 

“O interesse superou todas as nossas expectativas e pretendemos incluir o evento no calendário de inovação de Recife”, diz Breno Paredes, um dos idealizadores do evento.

De acordo com Paredes, no hackathon, os participantes formam suas equipes e trabalham de forma intensiva para criar uma solução dentro do tema escolhido em 48 horas, recebendo acesso aos dados da própria NASA para solucionar as questões. 

O prêmio para as duas melhores equipes globais é uma visita ao NASA Kennedy Space Center, na Flórida, nos Estados Unidos.

A Cesar School, que está bancando o evento, terá lugar para dez alunos da escola entre os 85 escolhidos.

“Colocar nossos alunos diante de situações práticas e relevantes, que realmente farão a diferença em sua carreira faz parte da educação integral que adotamos no nosso dia a dia”, afirma Carlos Pompeu, gerente de Negócios Educacionais da CESAR School. 

Fundado nos anos 90 em Recife, o CESAR é uma referência no assunto centros de inovação no país e vendeu mais de R$ 100 milhões em projetos no ano passado.

O centro faz parte do Porto Digital, que revitalizou uma área abandonada da capital pernambucana, 300 empresas dos segmentos de Tecnologia da Informação e Comunicação e economia criativa.