O TCE-CE espera ampliar o monitoramento dos gastos públicos que iniciou há alguns anos. Foto: TCE/Divulgação.

A Sonda irá auxiliar o Tribunal de Contas do Estado do Ceará a identificar práticas ilegais em órgãos públicos. A empresa venceu a licitação do estado para atualizar uma solução tecnológica que monitora, entre outras atividades, os profissionais que acumulam cargos incompatíveis, licitações fraudulentas ou pagamentos indevidos.

O acordo entrou em vigor em abril, quando a Sonda implantou no órgão uma solução do SAS que permitirá o tratamento e a análise de dados, com foco em identificação de fraudes e irregularidades no âmbito da administração pública. 

A ferramenta é capaz de encontrar eventuais anomalias por meio da base de dados do próprio governo e das prefeituras do estado, além de analisá-los para encontrar inconformidades.

“A solução utiliza uma série de tecnologias, como big data, analytics e machine learning para compor ‘regras de negócios’ e enviar alertas quando comportamentos fora do padrão, definidos pelo próprio Tribunal, ocorrerem”, explica Alexandre Repinaldo, diretor de Negócios Norte & Nordeste da Sonda.

A interface da ferramenta permite a visualização do status e do histórico de atividades encerradas dentro do fluxo, governança, auditoria e conformidade de todas as ações realizadas dentro do sistema. Ela também possibilita o controle de acesso aos alertas para evitar acesso mútuo em um mesmo aviso por analistas distintos, entre outros benefícios.

“A ideia é que o modelo possa ser replicado para outros órgãos públicos, como Secretarias de Governo, Ministérios Públicos (ou Procuradorias Gerais dos Estados), Tribunais de Justiça e outros Tribunais de Contas. Queremos auxiliá-los para que a gestão dos recursos públicos seja feita de forma mais segura e transparente”, destaca Repinaldo.

O Tribunal espera ampliar o monitoramento dos gastos públicos que iniciou há alguns anos para coibir práticas ilegais nos 184 municípios que compõem o Ceará.

A Sonda fechou o ano passado com uma receita consolidada equivalente a US$ 1,152 bilhão, o que representa uma queda de 15% frente aos resultados de 2017.

Em relação ao Brasil, a empresa divulgou apenas a receita total de US$ 329,1 milhões em 2018, sem fazer comparações com outros anos. Em 2017 e 2016, não foi divulgado o faturamento da operação brasileira.